23:52 08 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    20787
    Nos siga no

    Os ministros das Relações Exteriores dos dois países falaram com seu homólogo iraniano, dizendo que episódios como a morte do general iraniano Soleimani não ajudam a reduzir as tensões na região.

    Pequim se opõe à estratégia "impraticável" da administração de Trump de pressão máxima contra Irã, considerando-a contraproducente, advertiu o ministro chinês das Relações Exteriores, Wang Yi. O alto responsável chinês falou com seu homólogo iraniano, Javad Zarif, com o último condenando a morte na sexta-feira (3) do comandante da força Quds do Irã pelos EUA.

    Manifestantes em protesto contra a guerra em meio às tensões entre os EUA e Irã, Times Square, Nova York, 4 de janeiro de 2020
    © REUTERS / Eduardo Munoz
    Manifestantes em protesto contra a guerra em meio às tensões entre os EUA e Irã, Times Square, Nova York, 4 de janeiro de 2020

    Sergei Lavrov, ministro das Relações Exteriores da Rússia, também falou com o homólogo iraniano, com ambos concordando no sábado (4) que os EUA não estão diminuindo, mas sim aumentando as tensões regionais. Lavrov também expressou suas condolências pelo assassinato do militar persa.

    "Os ministros observaram que a ação ilegítima dos EUA agravou seriamente a situação na região", disse a entidade diplomática russa.

    "Nessas condições, Rússia e China estão interessadas em reduzir as tensões e tomarão medidas conjuntas para criar condições para uma resolução pacífica de situações de conflito", acrescentou a entidade diplomática russa.

    Soleimani, chefe da Força Quds de elite do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica do Irã, foi morto na sexta-feira (3) em um assassinato direcionado em Bagdá, Iraque, que Washington afirma ter sido necessário para evitar ataques a cidadãos dos EUA. Teerã jurou que vingaria a morte do general popular, que teve procissões com milhares de pessoas no Iraque e no Irã.

    Mais:

    Administração Trump aguarda retaliação do Irã 'dentro de semanas'
    Irã convida Turquia a unir forças contra os EUA
    Trump ameaça bombardear 52 alvos no Irã
    Tags:
    general, morte, ataque, Rússia, China, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar