17:59 05 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    456879
    Nos siga no

    O Pentágono confirmou que general iraniano Qassem Soleimani, chefe da unidade Força Quds, do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica, foi morto por ordem do presidente dos EUA, Donald Trump.

    Soleimani foi morto em bombardeio no Aeroporto Internacional de Bagdá, no Iraque, junto com o vice-chefe da Forças de Mobilização Popular Shia do Iraque, Abu Mahdi al-Muhandis, e outras vítimas. 

    De acordo com Washington, Soleimani havia autorizado ataques contra a embaixada dos Estados Unidos no Iraque, que foi recentemente invadida por manifestantes, e também um ataque contra a base de Kirkuk, que matou um soldado terceirizado dos Estados Unidos e deixou estadunidenses e iraquianos feridos. 

    A morte de Soleimani, indicado pelo jornal Financial Times como uma das 50 pessoas que marcaram a década, já foi confirmada pela imprensa estatal do Irã. A Rede de Notícias da República Islâmica, canal de televisão de Teerã, afirma que o ataque causou 7 mortes. 

    "Sob a direção do presidente, os militares dos EUA tomaram medidas defensivas decisivas para proteger o pessoal dos EUA no exterior, matando Qassem Soleimani, chefe da unidade Força Quds, do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica, uma organização designada como terrorista pelos EUA", disse o Pentágono em comunicado.

    O Pentágono também afirmou que o ataque "teve como objetivo impedir futuros planos de ataque iranianos" e que os "Estados Unidos continuarão a tomar todas as medidas necessárias para proteger nosso povo e nossos interesses onde quer que estejam ao redor do mundo."

    Mais:

    Chefe da Guarda Revolucionária afirma que Irã pode derrotar EUA
    Israel acusa Irã de apoiar ataque à embaixada dos EUA em Bagdá
    Qual seria o sinal que Rússia, Irã e China deram com exercícios navais conjuntos?
    'Mau comportamento': chefe do Pentágono ameaça o Irã com ataque preventivo
    Tags:
    Pentágono, Irã, Estados Unidos, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar