23:32 14 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    927
    Nos siga no

    As Forças de Defesa de Israel (IDF) admitiram que os serviços de inteligência cometeram um erro na avaliação de risco para os civis.

    Na ocasião, um erro na avaliação de risco durante o bombardeio realizado no dia 14 de novembro na Faixa de Gaza causou a morte de nove pessoas, informa o The Times of Israel.

    As IDF atacaram uma casa em Deir al-Balah e asseguraram ter abatido um dos líderes da Jihad Islâmica na Palestina, Rasmi Abu Malhous.

    Caça F-35 da Força Aérea de Israel
    © AP Photo / Ariel Schalit
    Caça F-35 da Força Aérea de Israel

    Contudo, oito membros de sua família, incluindo seus filhos menores de 13 anos, morreram durante a ofensiva.

    Em comunicado emitido nesta terça-feira (24), o Exército israelense afirmou que a casa bombardeada servia como "complexo militar" para os jihadistas islâmicos.

    "A análise também concluiu que, no planejamento do ataque, as IDF estimaram que os civis não fossem atingidos em decorrência da ofensiva", cita o comunicado.

    No entanto, uma investigação determinou que "embora tenha ocorrido atividade militar no complexo, este não era uma instalação militar fechada, havendo civis no local".

    A investigação também inclui recomendações "com o objetivo de reduzir, na medida do possível, a ocorrência de erros similares".

    Mais:

    Líbano condena entrada de Israel em seu espaço aéreo para atacar a Síria
    Apesar da cooperação contra terrorismo, imagem de Israel está manchada, afirma ex-diretor da Mossad
    Israel usa 'argumentos fracos' para ataques aéreos na Síria, diz chanceler sírio
    Tags:
    mortes, civis, erro, bombardeios, bombardeio, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar