18:10 20 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    10195
    Nos siga no

    Enquanto na Síria ocorrem confrontos entre forças israelenses e iranianas, a tensão entre os dois países aumentou, criando a possibilidade de uma guerra total, segundo especialista.

    Se, por um lado, as tensões entre o Irã e seus adversários não ganham foco na grande mídia todos os dias, as tensões entre o país persa e os EUA e Israel se revelam em eventos quase diários no Oriente Médio.

    Como exemplo, segundo publicou o analista político Darius Shahtahmasebi no portal da agência RT, figuram as mais recentes sanções dos EUA contra empresas iranianas, incluindo a companhia aérea Mahan Air.

    "Enquanto o seu [do Irã] comportamento maligno continuar, também a nossa campanha de pressão será ao máximo", declarou o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, à mídia, conforme publicou o canal de TV CNBC.

    Além disso, como parte da pressão, o governo americano deve endurecer sua política contra a Síria, cujo governo é aliado de Teerã.

    "O Congresso deverá passar um projeto de lei, apresentado três anos atrás, que providenciará aos EUA sanções contra 'o regime sírio, Rússia e Irã por crimes de guerra anteriores e em curso' alegadamente cometidos na guerra síria", afirmou o especialista.

    Israel

    Por outro lado, segundo o analista político, o Estado de Israel está cada vez mais disposto a um ataque direto contra o Irã ou suas forças.

    "Enquanto os EUA já provaram que estão algo relutantes em atacar diretamente o Irã e suas forças, existe outra potência no Oriente Médio que parece cada vez mais desejar e ser capaz de fazer isso por Washington: Israel", escreveu o especialista.

    Enquanto isso, o governo de Israel tem travado confrontos com o Irã na Síria.

    Segundo o especialista, Israel assumiu ter executado um ataque "muito intenso" contra alvos iranianos e do Exército sírio no país árabe, o que resultou na morte de 21 combatentes e dois civis.

    Além disso, encontros entre altas patentes dos EUA com autoridades militares israelenses se tornaram mais frequentes.

    Segundo o analista político, pelo menos três comandantes militares dos EUA visitaram recentemente Israel. Darius Shahtahmasebi acredita que o Irã foi um dos temas principais a ser discutido nos encontros.

    'Vietnã iraniano na Síria'

    Em uma conferência realizada no último dia 9, o ministro da Defesa israelense, Naftali Bennett, ameaçou tornar a Síria "no Vietnã do Irã", conforme publicou em outro aritgo a agência RT.

    A ameaça se deu após o governo israelense alegar que a presença iraniana na Síria é uma "ameaça".

    Por sua vez, o Irã também tem proferido ameaças contra Israel. No entanto, para o especialista as ameaças israelenses também poderiam ter como fundo o contexto político que o país tem vivido.

    Sob acusação de crimes em seu país, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, poderia estar desviando as atenções ao inimigo comum, pondera o especialista.

    "Claro que é conveniente para um líder que luta para manter seu poder criar um bode expiatório do qual ele precisa proteger todo o resto do país", afirmou Darius Shahtahmasebi.

    Incerteza americana?

    No entanto, se por um lado os EUA se apresentam como tradicional aliado de Israel, existem dúvidas sobre a orientação americana nas questões do Oriente Médio.

    Citando um artigo publicado no jornal israelense Haaretz, o especialista ressaltou que na visão dos israelenses a política de Trump parece ser confusa.

    No entanto, Darius Shahtahmasebi ressalta que a crescente pressão americana sobre o Irã não pode ser negada.

    Mais:

    Muro de defesa marítima mais antigo do mundo é descoberto em Israel (FOTOS)
    Mudança da embaixada brasileira em Israel visa atender pressão da bancada evangélica, diz analista
    Marinha dos EUA libera VÍDEO de exercícios navais no golfo Pérsico em meio a tensões com Irã
    Tags:
    ameaças, EUA, sanções, oriente médio, guerra, tensões, israel, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar