17:43 31 Março 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    522
    Nos siga no

    O Parlamento de Israel aprovou um projeto de lei inicial nesta quarta-feira para convocar uma terceira eleição geral dentro de um ano, enquanto as negociações entre o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e seu principal rival não apontavam para um desfecho favorável.

    Um acordo para evitar uma nova eleição deve ser alcançado antes das 23h59 (hora local).

    Mas Netanyahu e seu rival Benny Gantz, que falharam em formar uma maioria governista no Parlamento, o Knesset, desde uma votação sem vencedor em setembro, passaram dias trocando a culpa pelas fracassadas negociações da coalizão.

    Na manhã de quarta-feira, o Parlamento israelense aprovou por 50 a 0 uma leitura preliminar de um projeto de lei que dissolve imediatamente o Legislativo e define uma nova eleição para 2 de março de 2020. A proposta deve enfrentar mais três leituras plenárias e votações durante o dia antes da aprovação na lei.

    Uma nova eleição seria outro desafio para Netanyahu - o mais antigo primeiro-ministro de Israel - no momento em que ele pode ser afastado da liderança em seu partido, o Likud. Mas isso também pode ser visto como uma vitória para ele, que enfrentou o risco de grandes deserções de seu bloco de direita quando foi indiciado por corrupção no mês passado.

    Netanyahu e Gantz, este um ex-chefe das Forças Armadas que chefia a Aliança Azul e Branca, discutiam um potencial governo de unidade, mas discordavam sobre quem deveria liderá-lo. Após as acusações de corrupção, Gantz pediu a Netanyahu que renunciasse e incentivou as deserções entre seus aliados, mas eles mantiveram a posição de 70 anos.

    Presidente israelense Reuven Rivlin (centro) ao lado de Benjamin Netanyahu (à esq.) e do opositor Benny Gantz (segundo à dir.)
    © REUTERS / Heidi Levine / Pool
    Presidente israelense Reuven Rivlin (centro) ao lado de Benjamin Netanyahu (à esq.) e do opositor Benny Gantz (segundo à dir.)

    Gantz exigiu então que Netanyahu declarasse publicamente que não buscaria imunidade parlamentar como condição prévia para novas negociações.

    "Agora parece que entraremos no terceiro ciclo eleitoral hoje por causa da tentativa de Netanyahu de obter imunidade", afirmou Gantz aos parlamentares na quarta-feira. "Devemos ficar em oposição a isso".

    Na noite de terça-feira, Netanyahu chamou Gantz para parar de "enrolar".

    "Depois de 80 dias, é hora de, por um dia, para os cidadãos de Israel, nos sentarmos e discutirmos seriamente sobre a formação de um governo de unidade ampla. Não é tarde demais", destacou ele nas mídias sociais.

    Se confirmado, seria a primeira vez que o eleitorado cansado de Israel seria convidado a ir às urnas três vezes em 12 meses.

    Disputa acirrada

    Os partidos de Netanyahu e Gantz estavam quase num impasse nas eleições de setembro, após uma pesquisa igualmente inconclusiva em abril. O sistema proporcional de Israel depende da construção de coalizões, e os dois partidos ficaram aquém dos 61 assentos necessários para comandar a maioria no Knesset, com 120 assentos.

    Ambos tiveram então 28 dias para tentar formar uma coalizão viável, mas fracassaram, forçando o presidente Reuven Rivlin a recorrer ao Parlamento com o prazo para esta quarta-feira.

    Novas eleições são profundamente impopulares com o público israelense, que expressou crescente raiva e frustração com toda a classe política. Ambos os partidos estavam tentando convencer Avigdor Lieberman, um político decisivo, a se juntar a seus blocos. Mas o ex-ministro de Netanyahu, cujo partido nacionalista secular Yisrael Beitenu mantém o equilíbrio de poder, recusou.

    Falando na hora do almoço de quarta-feira, Lieberman acusou as duas partes de colocar seus interesses acima dos do país, dizendo que "fez de tudo" para alcançar um amplo governo de unidade nacional, incluindo Likud e Azul e Branco.

    "Não posso aceitar que a agenda do país seja ditada pelas questões pessoais [legais] de um homem", comentou ele sobre Netanyahu, antes de acusar o partido de Gantz de "agir com vergonha e enganar seus eleitores".
    Avigdor Lieberman, ex-chanceler e ex-ministro da Defesa de Israel (foto de arquivo)
    © REUTERS / Sergei Karpukhin
    Avigdor Lieberman, ex-chanceler e ex-ministro da Defesa de Israel (foto de arquivo)

    Netanyahu foi indiciado no mês passado por suborno, quebra de confiança e fraude relacionada a três casos separados de corrupção. Ele nega veementemente as acusações e acusa a mídia, a polícia e a acusação de uma caça às bruxas.

    Ainda não foi marcada uma data para o início dos procedimentos e, segundo a lei israelense, Netanyahu pode permanecer no cargo, apesar da acusação. Ele também enfrenta um desafio de dentro do seu partido Likud, que decidiu na quarta-feira ter primárias de liderança em 26 de dezembro.

    Seu único rival confirmado, Gideon Saar, saudou a votação planejada, dizendo que havia uma necessidade de "um avanço que acabasse com a crise política em curso, possibilitasse a formação de um governo forte e unisse o povo de Israel".

    Para aumentar seu apoio, Netanyahu pressionou seu plano de anexar uma parte estratégica da Cisjordânia ocupada, além de assinar um tratado de defesa com os Estados Unidos. Ele é um aliado próximo do presidente dos EUA, Donald Trump, que tomou várias medidas controversas em apoio à agenda de Netanyahu.

    Apesar das acusações de Netanyahu, as pesquisas sugerem que um terceiro turno de eleições ainda pode ser complicado - levando alguns israelenses a especularem sobre mais um impasse eleitoral.

    Mais:

    Israel estaria pronto para bombardear Irã a fim de impedi-lo de 'obter armas nucleares'
    Israel ameaça Irã para que saia da Síria: não hesitaremos em remover forças agressivas
    Israel conduz exercícios militares Game of Thrones e diz: 'Nenhum dragão foi usado' (VÍDEO)
    Tags:
    corrupção, política, impasse, Aliança Azul e Branca, Partido Likud, Avigdor Lieberman, eleição, Knesset, Reuven Rivlin, Benny Gantz, Benjamin Netanyahu, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar