03:13 28 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    583
    Nos siga no

    Dois homens-bombas detonaram explosivos e cinco combatentes abriram fogo perto da principal base militar de Bagram, no Afeganistão, nesta quarta-feira (11). O ataque matou duas pessoas e feriu mais de 60, de acordo com funcionários da OTAN.

    Ataque suicida de grandes proporções teve como alvo instalações médicas em construção, próximas à base aérea norte-americana Bagram. Após o ataque, houve confronto de cerca de 30 minutos entre soldados da coalisão internacional e militantes locais.

    Dois suicidas detonaram veículos com explosivos, enquanto cinco militantes abriram fogo contra as forças internacionais, reportou a Reuters.  

    "Também houve confronto de cerca de 30 minutos entre as forças internacionais e os perpetradores do ataque, que obviamente queriam entrar na base", disse Wahida Shahkar, porta-voz do governo da província de Parwan.

    A missão Apoio Resuluto da OTAN emitiu comunicado no qual afirma que os ataques foram "rapidamente contidos e repelidos" e informando que não houve baixas entre os seus combatentes.

    No entanto, de acordo com a missão, uma base médica em construção para os habitantes locais, localizada perto da base norte-americana, foi seriamente danificada.

    Bagram é a principal base dos EUA ao norte da capital do Afeganistão, Cabul, informaram as Forças Armadas dos EUA.

    O ataque foi realizado em meio à renovação do diálogo de paz entre os EUA e o Talibã para pôr fim à guerra que se estende por 18 anos.

    Atualmente, o Talibã ocupa maior parcela do território afegão desde que foi retirado do poder, em 2001.

    Mais:

    Dois militares dos EUA morrem em acidente de helicóptero no Afeganistão, diz comunicado
    Trump aparece de surpresa no Afeganistão e retoma negociação com Talibã
    Vem à tona 'verdade ocultada' pelos Estados Unidos sobre intervenção no Afeganistão
    Tags:
    explosão, base, homem-bomba, Afeganistão, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar