02:27 05 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    154
    Nos siga no

    Uma grave seca na África Austral levou à dessecação parcial das lendárias cataratas de Vitória, situadas entre a Zâmbia e Zimbábue.

    O ano de 2019 marcou o nível mais baixo das suas águas, em cerca de 25 anos, devido à seca que está atingindo o sul do continente, embora essas quedas d’água sofram regularmente o esgotamento da água do rio Zambeze na estação seca.

    O presidente da Zâmbia, Edgar Lungu, atribuiu o fenômeno à crise climática e apelou à comunidade internacional para que tome medidas urgentes antes que uma das atrações turísticas mais populares da África seque.

    Registradas em janeiro deste ano, as fortes quedas d’água já não podem ser vistas em dezembro.

    Níveis baixos de água são observados após uma seca prolongada nas cataratas de Vitória, Zimbabué, em 4 de dezembro de 2019
    © REUTERS / Staff
    Níveis baixos de água são observados após uma seca prolongada nas cataratas de Vitória, Zimbabué, em 4 de dezembro de 2019

    Já as colinas que há menos de um ano estavam cobertas por vegetação, transformaram-se agora em meras rochas sem quase nenhum vestígio de vida.

    De acordo com o site Independent, as quedas d'água neste ano registraram um declínio sem precedentes, diminuindo pela metade.

    A seca afeta as culturas, deixando milhões de pessoas com escassez de alimentos. A escassez afeta os animais selvagens e perigosos, que atravessam assentamentos humanos em busca de água e alimentos.

    Como a usina hidrelétrica é muito sensível à redução do fluxo de água, a população de ambos os países sofre com a escassez de eletricidade.

    • Cataratas de Vitória, Zimbabué, em 17 de janeiro de 2019
      Cataratas de Vitória, Zimbabué, em 17 de janeiro de 2019
      © REUTERS / Staff
    • Níveis baixos de água são observados após uma seca prolongada nas cataratas de Vitória, Zimbabué, em 4 de dezembro de 2019
      Níveis baixos de água são observados após uma seca prolongada nas cataratas de Vitória, Zimbabué, em 4 de dezembro de 2019
      © REUTERS / Staff
    • Visitantes caminham ao longo de uma passarela perto das cataratas de Vitória, Zimbabué, em 17 de janeiro de 2019
      Visitantes caminham ao longo de uma passarela perto das cataratas de Vitória, Zimbabué, em 17 de janeiro de 2019
      © REUTERS / Staff
    • Visitantes caminham perto das cataratas de Vitória, Zimbabué, em 4 de dezembro de 2019
      Visitantes caminham perto das cataratas de Vitória, Zimbabué, em 4 de dezembro de 2019
      © REUTERS / Staff
    • Água escorre pela borda das cataratas de Vitória, no Zimbabué, em 17 de janeiro de 2019
      Água escorre pela borda das cataratas de Vitória, no Zimbabué, em 17 de janeiro de 2019
      © REUTERS / Staff
    • Níveis baixos de água são observados após uma seca prolongada cataratas de Vitória, no Zimbabué, em 4 de dezembro de 2019
      Níveis baixos de água são observados após uma seca prolongada cataratas de Vitória, no Zimbabué, em 4 de dezembro de 2019
      © REUTERS / Staff
    1 / 6
    © REUTERS / Staff
    Cataratas de Vitória, Zimbabué, em 17 de janeiro de 2019

    Uma importante fonte de rendimento para a Zâmbia e o Zimbabué é o turismo, que utiliza as cataratas de Vitória como ferramenta eficaz para aumentar o PIB.

    "Não temos tempo para fazer política com a mudança climática", explicou o líder zambiano, destacando que as consequências da mudança climática já são visíveis no continente africano.

    Mais:

    Nova onda de ventos secos agravará incêndios florestais em 'toda a Califórnia'
    Seca pode matar 2 milhões de pessoas na Somália, diz ONU
    Cataratas do Niágara param no tempo com gelo e neve
    Tags:
    problemas ambientais, falta de água, seca, aquecimento global, Zâmbia, Zimbabwe
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar