17:55 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio

    'Piada fofa de Trump': Assad sobre agradecimento dos EUA à Síria após operação antiterrorista

    © Sputnik / Mikhail Voskresensky
    Oriente Médio e África
    URL curta
    9490
    Nos siga no

    Em entrevista à mídia francesa, o presidente da Síria, Bashar Assad, fala sobre o acordo com os curdos, a Rússia, o Irã e a operação dos EUA em que teria sido assassinado o líder terrorista al-Baghdadi. Saiba a opinião do líder sírio sobre as "piadas fofas de Trump".

    O presidente da Síria, Bashar Assad, concedeu uma entrevista à revista Paris Match, em Damasco, e comentou a situação atual do conflito que dura há mais de oito anos.

    Um dos temas levantados foi a operação dos EUA em que foi assassinado o líder do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e demais países), em outubro deste ano.

    Quando perguntado sobre a razão pela qual, durante o anúncio do assassinato, o presidente Donald Trump agradeceu a Síria pela "compreensão e apoio" na operação, Assad riu:

    "É mais uma das piadas fofas de Trump. É uma piada", respondeu.

    O presidente sírio expressou dúvidas acerca da veracidade da operação contra Abu Bakr al-Baghdadi, perguntando se essa "peça fantástica encenada pelos norte-americanos" teria de fato ocorrido:

    "Eu sempre dou risada quando levantam essa questão, porque a questão mais importante é: al-Baghdadi foi assassinado ou não?", questionou.

    O conflito sírio, que teve início em 2001, fez milhares de vítimas fatais, devastou a economia do país, que perdeu parte do seu território e tem mais de metade da sua população como refugiados no estrangeiro ou deslocada internamente.

    Pequeno fluxo de habitantes retorna à cidade síria de Raqqa, que  tenta se reestabelecer, em setembro de 2019
    © AP Photo / Maya Alleruzzo
    Pequeno fluxo de habitantes retorna à cidade síria de Raqqa, que tenta se reestabelecer, em setembro de 2019

    O apoio da Rússia e do Irã teria sido fundamental para que Assad não perdesse a guerra.

    "Estamos lutando contra os mais ricos e poderosos países do mundo. Logicamente, não há dúvida de que o apoio de nossos amigos reduziu as baixas e nos ajudou a retomar territórios", reconheceu Assad.

    O presidente se esquivou, no entanto, de fazer prognósticos ou considerar o que teria sido da Síria, caso a Rússia e o Irã não tivessem lutado ao seu lado.

    "Se é difícil prever o resultado de uma partida de tênis envolvendo dois jogadores, imagine prever os resultados de uma guerra com dezenas de jogadores e centenas de milhares de combatentes", concluiu.

    A intervenção da Rússia na guerra na Síria teve início após um pedido formal do governo de Damasco, em setembro de 2015.

    Especialistas russos em desminagem trabalham em Palmira
    Ministério da Defesa da Rússia
    Especialistas russos em desminagem trabalham em Palmira

    De acordo com as autoridades russas, as operações têm o objetivo de combater grupos terroristas, inclusive o Daesh, e garantir a soberania síria sobre seu território.

    Mais:

    Síria critica EUA por não destruir seus arsenais de armas químicas
    Ofensiva na Síria continuará até que objetivos sejam alcançados, diz Turquia
    Pentágono recomeça luta contra Daesh para justificar ocupação da Síria, diz ex-embaixador britânico
    Tags:
    Donald Trump, EUA, Síria, Bashar Assad
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar