05:02 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Sistemas de defesa antimíssil S-400 russos na Crimeia

    Após falha do sistema americano Patriot, Arábia Saudita quer sistema S-400 da Rússia

    © Sputnik / Sergei Malgavko
    Oriente Médio e África
    URL curta
    211013
    Nos siga no

    Rússia e Arábia Saudita negociam contrato de venda do sistema de defesa antiaérea russo S-400, após análogo americano Patriot falhar durante ataques contra refinarias do país.

    As negociações se referem às condições de fornecimento pelo acordo que a Arábia Saudita já tinha assinado em 2017 com a Rússia e que não avançou.

    No entanto, as autoridades do reino árabe voltaram às negociações com a Rússia sobre o equipamento após o sistema de defesa antiaérea americano Patriot não ter rechaçado o ataque feito com drones e mísseis contra refinarias da Saudi Aramco em setembro.

    Além da Arábia Saudita, outros países do Oriente Médio já demonstram interesse por esse armamento russo, conforme disse à Sputnik Maria Vorovbyeva, representante do Serviço Federal de Cooperação Técnico-Militar da Rússia.

    "As solicitações de todos os compradores estrangeiros, interessados neste sistema de defesa antiaérea que é o melhor do mundo e que supera os sistemas apresentados pelos concorrentes, serão analisadas de acordo com os procedimentos estabelecidos", declarou Vorobyeva.

    Equipamento demandado

    Sob forte crítica dos Estados Unidos, a Turquia obteve suas primeiras unidades do S-400 em julho deste ano.

    Também a Índia demonstrou forte interesse pelo material bélico, o que também foi seguido de ameaças por parte de Washington.

    Mais:

    Erdogan: EUA não têm direito de exigir que Turquia abra mão dos S-400 russos
    Cobrindo toda a península balcânica: presença de S-400 na Sérvia é sinal de confiança, diz general
    Chanceler iraniano: Arábia Saudita não terá segurança comprando armas e confiando nos EUA
    Tags:
    refinaria, Saudi Aramco, ataque, acordo, Rússia, s-400, patriot, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar