17:24 11 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Combatente curdo das Unidades de Proteção Popular (YPG) em Al-Hasakah, norte da Síria

    Acordo EUA-Turquia: curdos já saíram de grande parte da zona segura na Síria, diz oficial

    © REUTERS / Rodi Said
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 13
    Nos siga no

    As milícias curdas saíram da maior parte da zona de segurança coberta pelo acordo EUA-Turquia no norte da Síria, informou uma importante autoridade do Departamento de Estado norte-americano em uma coletiva de imprensa.

    O funcionário foi convidado a comentar a declaração do presidente turco Recep Tayyip Erdogan de que os EUA estavam realizando patrulhas conjuntas com as milícias das Unidades de Proteção do Povo Curdo (YPG) na zona de segurança no norte da Síria, o que contradiz os acordos entre os EUA e a Turquia sobre a retirada das forças curdas da área.

    "Primeiro de tudo, a 'zona segura' é como ele [Erdogan] chama e, portanto, precisamos voltar e descobrir qual das duas zonas seguras", disse o funcionário do Departamento de Estado na quarta-feira.

    "Supondo que não haja terra de ninguém por aí - e acho que não, porque a maneira como a elaboramos e os russos a elaboraram, tudo é coberto pelo acordo de Sochi ou pelo nosso acordo - as YPG e todas as Forças Armadas certamente se retiraram da grande maioria da nossa área", acrescentou.

    No entanto, o funcionário do Departamento de Estado dos EUA observou que há uma área em disputa localizada a sudeste de Ras al-Ayn, que atinge quase todo o caminho até Tel Tamer.

    Foto retirada pouco antes da ofensiva turca mostra taque com bandeira das Unidades de Proteção Popular (YPG) curdas na fronteira com a Turquia
    Lefteris Pitarakis
    Foto retirada pouco antes da ofensiva turca mostra taque com bandeira das Unidades de Proteção Popular (YPG) curdas na fronteira com a Turquia
    "E é aí que houve brigas", prosseguiu a autoridade. "Agora, ele [Erdogan] pode estar falando sobre isso e se referindo ao nosso acordo de que não tiramos as YPG de lá. Nossa resposta é: os turcos não estavam controlando a área antes, embora, como eu disse, eles tivessem algum tipo de presença irregular lá. E então, é meio que um debate, mas não é uma grande batalha, não é um grande movimento, então estamos assistindo mais do que culpar os dois lados".

    O funcionário dos EUA observou que a Rússia declarou que as YPG deixaram as áreas definidas pelo acordo de Sochi. O representante de Washington explicou que esse acordo dizia respeito apenas à retirada das forças das YPG, enquanto o acordo americano "retirou todos que possuíam uma arma".

    "Eu não ficaria surpreso se Erdogan dissesse que ainda existem alguns elementos lá", continuou o funcionário, acrescentando que "alguns elementos" certamente estão nos campos de petróleo, mas ele não sabe quem os guarda.

    "Eu apenas sei que há pessoas locais e Erdogan nunca é tão específico em seus ataques a nós ou a qualquer outra pessoa", completou o funcionário dos EUA.

    Em 17 de outubro, dias após o início da operação militar turca contra a milícia curda no norte da Síria, os Estados Unidos e a Turquia chegaram a um acordo sobre um cessar-fogo de 120 horas para permitir a retirada das forças curdas da área de fronteira síria com a Turquia.

    Quando a trégua de cinco dias terminou, Erdogan e o presidente russo Vladimir Putin assinaram um memorando que veria os combatentes curdos se afastarem da área de fronteira. A Turquia e a Rússia já começaram patrulhas conjuntas ao longo da fronteira.

    Mais:

    Polícia Militar da Rússia começa retirada de curdos da fronteira sírio-turca
    Curdos abandonam base militar e posto de controle no norte de Raqqa, na Síria
    Erdogan: Turquia e Rússia começarão a patrulhar áreas curdas na Síria na sexta-feira
    Tags:
    diplomacia, zona de segurança, curdos sírios, Unidades Populares de Proteção do Curdistão (YPG), Vladimir Putin, Departamento de Estado dos EUA, Recep Tayyip Erdogan, Turquia, Rússia, Estados Unidos, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar