14:26 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Poço de petróleo nos arredores da cidade síria de Deir ez-Zor, na Síria

    'Arrogante e ilegal': Rússia denuncia presença de tropas dos EUA em poços petrolíferos na Síria

    © Sputnik / Mikhail Voskresensky
    Oriente Médio e África
    URL curta
    7241
    Nos siga no

    O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, fez a declaração durante coletiva de imprensa com seus homólogos do Irã e Turquia, reunidos nesta terça-feira (29), no Escritório da ONU em Genebra.

    Os Estados Unidos foram "arrogantes" ao enviar tropas para proteger poços de petróleo na Síria, disse o chanceler russo. Lavrov notou que ainda não está claro de quem as instalações precisam ser "protegidas".

    "A afirmação de que a presença [dos EUA] é necessária para proteger as riquezas petrolíferas é arrogante. Ao fim e ao cabo, os poços de petróleo estão sendo protegidos dos próprios sírios", disse Lavrov.

    A medida norte-americana é uma violação da lei internacional, uma vez que a presença dos EUA na Síria é "ilegal", reiterou o chanceler, ao lado de seu homólogo iraniano, Javad Zarif, e turco, Mevlut Cavusoglu.

    Ministro da Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, (centro) se reúne com seu colega iraniano, Javad Zarif, (à esquerda) e turco, Mevlut Cavusoglu (à direita), em 29 de Outubro de 2019
    © Sputnik / Vitaly Velousov
    Ministro da Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, (centro) se reúne com seu colega iraniano, Javad Zarif, (à esquerda) e turco, Mevlut Cavusoglu (à direita), em 29 de Outubro de 2019

    O chanceler russo acredita que a alegação de Washington de que os poços precisam ser protegidos do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e demais países) é um pretexto para voltar atrás na decisão de retirar as tropas da Síria.

    A alegação é ainda mais confusa se considerarmos que "em março deste ano, os EUA já haviam anunciado que o Estado Islâmico [Daesh] havia sido derrotado, esmagado", lembrou Lavrov.

    Encontro de ministros

    Os ministros da Rússia, Irã e Turquia se reuniram para lançar oficialmente o Comitê Constitucional da Síria, que iniciará os seus trabalhos no Escritório das Nações Unidas em Genebra, na Suíça.

    Outro ponto relevante da agenda foi o cessar-fogo no nordeste da Síria, negociado entre a Rússia e Turquia, na semana passada, em Sochi. O cessar-fogo expirou nesta quarta-feira (30).

    Ministros das Relações Exteriores de Rússia, Turquia e Irã se reúnem para lançar o Comitê Constitucional da Síria, no Escritório da ONU em Genebra, em 29 de Outubro de 2019
    © Sputnik / Aleksandr Scherbak
    Ministros das Relações Exteriores de Rússia, Turquia e Irã se reúnem para lançar o Comitê Constitucional da Síria, no Escritório da ONU em Genebra, em 29 de Outubro de 2019

    O ministro das Relações Exteriores da Turquia afirmou que, terminado o cessar-fogo, qualquer grupo armado curdo remanescente na "zona de segurança" próxima à fronteira sírio-turca será eliminado.

    Conciliador, o ministro turco notou que confia na informação russa de que os curdos se retiraram da região, em consonância com o acordo de Sochi.

    Mais:

    EUA 'praticam banditismo' ao controlar campos petrolíferos na Síria, diz Defesa da Rússia
    EUA podem manter tropas na Síria para proteger poços de petróleo
    Comboio de militares dos EUA volta do Iraque à Síria, informa mídia estatal
    Tags:
    comércio ilegal, Síria, petróleo, EUA, Irã, Turquia, Sergei Lavrov, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar