11:29 07 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Abu Bakr al-Baghdadi, ex-líder do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia)

    Morte de líder do Daesh é confirmada por inteligência iraquiana, diz mídia

    © AP Photo / Militant video, File
    Oriente Médio e África
    URL curta
    18383
    Nos siga no

    Uma fonte de alto escalão da inteligência iraquiana confirmou este domingo as informações sobre a morte do líder do Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia e em outros países), Abu Bakr al-Baghdadi.

    Anteriormente, o portal Defense One informou que o líder terrorista, Abu Bakr al-Baghdadi, havia sido alvo de uma operação especial norte-americana.

    "Uma fonte de alto escalão da inteligência iraquiana confirmou que o líder do Daesh, Abu Bakr al-Baghdadi, bem como os comandantes iraquianos do grupo, foram liquidados no nordeste da Síria", informou a agência de notícias INA.

    A localização do líder, que estava acompanhado de seu guarda-costas, teria sido estabelecida no momento em que ele tentava levar sua família de Idlib, na Síria, para a fronteira turca. Dois funcionários iranianos afirmaram que o Irã havia recebido informações de responsáveis da Síria sobre a morte de al-Baghdadi.

    Líder do grupo terrorista Estado Islâmico Abu Bakr al-Baghdadi. (Arquivo)
    © East News / Balkis Press
    Líder do grupo terrorista Estado Islâmico Abu Bakr al-Baghdadi. (Arquivo)

    A administração do presidente norte-americano, Donald Trump, havia informado que o presidente faria uma "declaração importante" na Casa Branca neste domingo.

    Além disso, Trump publicou em seu Twitter que "algo muito grande havia acontecido", não tendo informado detalhes.

    Mais:

    Macron alerta Trump sobre o risco de ressurgimento do Daesh na Síria
    Homens-bomba do Daesh atacam posições curdas em Raqqa
    Chefe do Estado-Maior dos EUA diz que incursão turca na Síria afeta operações contra Daesh
    Tags:
    morte, operação, terroristas, terrorista, Síria, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar