00:20 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio

    Presidente angolano: Rússia foi determinante na luta contra colonialismo na África

    © Sputnik / Aleksei Druzhinin
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4181
    Nos siga no

    Em entrevista à Sputnik, o presidente de Angola destacou a parceria com a Rússia e reclamou dos preços do petróleo.

    O Fórum Rússia-África, realizado nesta semana em Sochi entre 23 e 25 de outubro, recebeu quase 100 mil visitantes. Pelo menos 44 presidentes e primeiros-ministros se fizeram presentes, coroando o esforço diplomático da Rússia para aumentar sua influência no continente africano.

    Na lista de acordos comerciais e bilaterais celebrados esses dias se destaca o perdão da dívida de países africanos, remanescente dos tempos soviéticos, pela Rússia, que somava a expressiva cifra de U$ 20 bilhões (cerca de R$ 80 bilhões).

    O presidente de Angola, João Lourenço, também participou da cúpula e, em conversa com Sputnik, destacou a importância da Rússia tanto para o seu país, como para todo o continente africano.

    "Sabe que a Rússia sempre prestou uma grande ajuda à África, sobretudo ajuda na área da defesa e segurança, contribuiu bastante para a libertação dos nossos povos, e por força disso hoje a África é um continente livre do colonialismo, não é?", declarou o chefe de Estado.

    Ele salientou que hoje o foco se deslocou para a economia e que a cooperação entre os dois países acontece primariamente nos setores civil, energético, educação, saúde e tecnologias de informação.

    "Basta dizer que uns dos mais fortes e seguros sistemas de segurança cibernética é de uma companhia russa", ponderou João Lourenço, além de destacar o desenvolvimento em conjunto do satélite angolano AngoSat-2.

    Petróleo

    Ao comentar os atuais preços do petróleo e sua participação na Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), o líder angolano defendeu a necessidade de um equilíbrio que beneficie os produtores e consumidores.

    "Temos de lutar para encontrar um ponto de equilíbrio que não beneficie demais os produtores, mas que também não prejudique demais os consumidores. Esse ponto de equilíbrio, penso que o preço atual está abaixo dele, do ponto do equilíbrio, pode subir um pouco mais. E se nós fazemos parte de uma organização internacional como a OPEP, em princípio a nossa posição é aquela que a organização à que pertencemos defende", concluiu o presidente.

    Mais:

    Compradora de armas russas, Angola espera ajuda da Rússia para se tornar autossustentável
    Ministra angolana revela experiência de ensino brasileira tão procurada por Angola
    Antiga parceira da Odebrecht, mineradora de diamantes de Angola avança nos negócios com Rússia
    Tags:
    Rússia, economia, petróleo, OPEP, Angola, João Lourenço, África
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar