14:52 19 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Em foto retirada em 2018, grupo de soldados norte-americano se reúnenm para patrulhamento em Manbij, no nordeste da Síria

    Rússia: forças americanas mantêm presença ilegal na Síria

    © AP Photo / Zoe Garbarino
    Oriente Médio e África
    URL curta
    7120
    Nos siga no

    O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, comentou a decisão dos EUA de deixar uma parte de suas tropas na Síria. O presidente Donald Trump declarou nesta quinta-feira (23) que suas tropas ficarão no país árabe para proteger poços de petróleo.

    O porta-voz do Kremlin declarou que todas as forças estrangeiras presentes em território sírio sem autorização do governo do país árabe estão agindo fora da legalidade.

    Mais cedo, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, havia declarado que uma parcela das tropas dos EUA iria permanecer na Síria com o objetivo de proteger poços de petróleo localizados no país.

    "No que se refere à presença militar norte-americana na Síria, a nossa posição é bem conhecida: somente as forças russas mantêm uma presença legítima no território da Síria, nomeadamente [por estarem no país] a pedido do governo sírio', declarou Peskov.

    De acordo com o porta-voz do Kremlin, todas as forças militares estrangeiras devem acabar se retirando da Síria.

    "Essa posição é compartilhada por Moscou e Damasco. Esse objetivo será prioritário no final, uma vez que a situação política tenha sido totalmente resolvida", concluiu o porta-voz.

    Memorando russo-turco

    Na terça feira (22), os presidentes da Rússia e da Turquia assinaram um memorando que regula a situação na região nordeste da Síria, alvo da ofensiva militar turca.

    Presidente da Rússia, Vladimir Putin, e da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, apresentam Acordo à imprensa, após sete horas de negociações em Sochi, na Rússia, em 22 de outubro de 2019
    © Sputnik / Ramil Sitdikov
    Presidente da Rússia, Vladimir Putin, e da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, apresentam Acordo à imprensa, após sete horas de negociações em Sochi, na Rússia, em 22 de outubro de 2019

    O acordo prevê que as milícias curdas – o principal alvo das operações turcas – se afastem a uma distância mínima de 30 km da fronteira com a Turquia.

    A retirada das milícias curdas deve ser realizada em até 150 horas após as seis horas da manhã, no horário de Brasília, de quarta-feira, 23 de outubro de 2019.

    Após a retirada, forças russas e turcas iniciarão patrulhas conjuntas na região de fronteira, com um recuo máximo de 10 km para dentro do território sírio. As patrulhas serão feitas nas regiões a leste e a oeste da região na qual a Turquia mantém a operação Fonte de Paz, à exceção da cidade de al-Qamishli.

    Presença russa na Síria

    Em 2015, a Rússia iniciou operação contra as organizações terroristas no território da República Árabe da Síria a pedido do governo de Damasco.

    Desde a chegada das forças russas, o governo de Damasco foi capaz de retomar uma parte importante de seu território, que estava sob controle de organizações terroristas, e reconstruir parte da infraestrutura destruída durante o conflito que já dura oito anos.

    Especialistas russos ensinam combatentes sírios durante exercícios na Síria
    © Sputnik / Mikhail Voskresensky
    Especialistas russos ensinam combatentes sírios durante exercícios na Síria

    Em agosto de 2014, os EUA e seus aliados iniciaram operações em território sírio contra o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e demais países). A entrada das forças dos EUA e seus aliados foi feita sem acordo prévio com o governo de Damasco.

    O governo sírio tem declarado reiteradamente que a presença militar dos EUA em território da Síria é ilegal e demanda a retirada das suas tropas.

    Mais:

    EUA aprendendo com seus erros na Síria
    Iraque rejeita presença de tropas dos EUA que deixaram Síria
    Militares sírios inventam modernizações importantes para tanque T-72 (FOTOS)
    Especialistas sobre acordo turco-russo na Síria: passo histórico que afastará EUA da região
    Tags:
    Donald Trump, Dmitry Peskov, tropas, acordos, Síria, EUA, Turquia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar