12:01 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Incêndio em instalações da Saudi Aramco no campo de Abqaiq, na Província Oriental da Arábia Saudita, em 14 de setembro de 2019

    Momento exato do ataque de drones e mísseis à refinaria da Saudi Aramco é exibido em VÍDEO

    © REUTERS / HAMAD I MOHAMMED
    Oriente Médio e África
    URL curta
    11352
    Nos siga no

    Gravações de câmeras de segurança recentemente lançadas mostram em detalhes como drones e mísseis atacaram uma das refinarias da Saudi Aramco, na Arábia Saudita.

    Localizadas nas instalações, que foram alvo de ataques, as câmeras captaram as explosões e consequentes incêndios gerados por mísseis e drones.

    No momento 00:09 do vídeo é possível ver um dos mísseis no canto superior esquerdo da tela.

    ​Ataque de drones à refinaria da Saudi Aramco, filmado por câmaras de vigilância. Vídeo de um informante militar

    O ataque aconteceu no dia 14 de setembro às refinarias de Abqaiq e Khurais, a leste da Arábia Saudita. A primeira parte da ofensiva consistiu em pequenos drones camicase destinados a distrair os sistemas de defesa antiaérea, segundo especialistas militares. Na segunda parte do ataque, mísseis de cruzeiro causaram a maior parte dos danos.

    Defesa aérea ineficiente

    Durante o ataque, o espaço aéreo em torno das refinarias foi protegido pelos sistemas de defesa antiaérea Patriot, SkyGuard e Crotale. No entanto, nenhum deles conseguiu detectar a chegada dos drones e mísseis de cruzeiro, razão pela qual foram criticados por especialistas militares.

    O ataque foi reivindicado pelos rebeldes iemenitas houthis, mas os EUA e alguns outros países acusam o Irã de ser o autor, apesar de Teerã rejeitar categoricamente as denúncias.

    Mais:

    Engenheiro israelense explica falha dos sistemas Patriot na proteção de refinarias sauditas
    Arábia Saudita considera responder militarmente aos ataques contra refinarias
    Chanceler iraniano explica como houthis conseguiram atacar refinarias sauditas
    Tags:
    Houthis, Saudi Aramco, Arábia Saudita, refinarias
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar