13:46 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Navio-taque de bandeira britânica Stena Impero

    Irã libera petroleiro britânico Stena Impero

    © REUTERS / Nazanin Tabatabaee/WANA (Agência de Notícias Oeste da Ásia)
    Oriente Médio e África
    URL curta
    6160
    Nos siga no

    O petroleiro Stena Impero zarpou do porto iraniano de Bandar Abbas hoje, (27), rumo a Dubai após ter sido liberado pelas autoridades persas.

    Na última quarta-feira, o porta-voz do governo iraniano, Ali Rabiei, havia dito que os procedimentos para a liberação da embarcação haviam sido concluídos.

    O anúncio de Rabiei indicava que a liberação do navio seria algo iminente. Nesta sexta, (27), o governo iraniano autorizou a tripulação a deixar o porto.

    "O Stena Impero começou hoje às 9h00 [2h30 no horário de Brasília] sua viagem a partir do porto de Bandar Abbas em direção ao corredor internacional no golfo Pérsico", publicou a nota do governo da província de Hormozgan o portal UrduPoint.

    Atualmente, o petroleiro se encontra a caminho de Port Rashid em Dubai, Emirados Árabes Unidos.

    A embarcação deverá chegar ao seu destino ainda hoje, após um trajeto de cerca de 250 km a partir do porto de Bandar Abbas, no Irã, noticiou a Reuters.

    Detenção

    Em 19 de julho, o Stena Impero foi detido pelo Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica do Irã sob a acusação de violar as regras internacionais de navegação. O episódio sucedeu à detenção do navio iraniano Adrian Darya 1, anteriormente conhecido como Grace 1, pelas autoridades britânicas em Gibraltar.

    Desde então, as tensões entre o Irã e o Reino Unido se elevaram. O Adrian Darya 1 foi liberado ainda em agosto.

    Mais:

    Comandante da Marinha iraniana anuncia 'mobilização naval'
    'Inércia e silêncio': presidente do Irã critica ONU em encontro com Guterres
    Índia aumenta frota de navios-patrulha após 'ameaça de invasão terrorista'
    Tags:
    Dubai, Reino Unido, Irã, navio-tanque, petroleiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar