15:31 21 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, na reunião semanal de gabinete em Jerusalém, 16 de setembro de 2018

    'Fora Netanyahu': Frente árabe israelense apoia Gantz como próximo premiê

    © AP Photo / Sebastian Scheiner
    Oriente Médio e África
    URL curta
    7112
    Nos siga no

    Os partidos políticos árabes israelenses declararam neste domingo um apoio conjunto ao ex-chefe militar Benny Gantz como o próximo primeiro-ministro do país, em um movimento visto pela última vez há quase 30 anos.

    A aliança, principalmente a Lista Conjunta Árabe, fez o anúncio aproximadamente ao mesmo tempo que seu líder, Ayman Odeh, publicou um artigo de opinião no jornal The New York Times falando sobre a mudança.

    Foi a primeira vez desde 1992 que a maioria dos partidos árabes endossou um candidato a primeiro-ministro em Israel.

    Pouco depois, Odeh conversou com o presidente israelense Reuven Rivlin, destacando que a prioridade da aliança era expulsar o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu do poder e, portanto, recomendava o nome de Gantz.

    Ele fez os comentários enquanto Rivlin consultava os partidos políticos israelenses sobre quem deveria formar o próximo governo após as eleições gerais da última terça-feira.

    Benny Gantz, então chefe do Estado-Maior do exército israrelense, 14 de fevereiro de 2011
    © AP Photo / Sebastian Scheiner
    Benny Gantz, então chefe do Estado-Maior do exército israrelense, 14 de fevereiro de 2011

    A Lista Conjunta Árabe conquistou 13 assentos na eleição, tornando-os a terceira maior força na legislatura de 120 assentos. Uma parte da aliança, com três assentos, sinalizou que era contra a decisão.

    Mesmo com o endosso de todos os 13 assentos, Gantz e sua aliança centrista Azul e Branca ficariam aquém dos 61 necessários para a maioria. Ele deve ter o aval de 57 cadeiras durante as consultas de Rivlin. Netanyahu deve receber 55.

    Também neste domingo, Rivlin ponderou que acredita em um governo de unidade, e que o mesmo deveria incluir o Likud de Netanyahu e o Azul e o Branco para criar uma coalizão estável. Contudo, Gantz já negou a possibilidade, após ser "convidado" a integrar um governo conjunto por Netanyahu.

    Se um acordo não for alcançado nos próximos dias, cresce a possibilidade de Israel ter de realizar uma terceira eleição ainda este ano.

    Mais:

    Trump: EUA e Israel negociam acordo de defesa mútua
    Israel aprova assentamento invasor na Cisjordânia às vésperas das eleições
    Rússia, Turquia e Irã acusam Israel de desestabilizar região com ataques
    Tags:
    Partido Likud, Aliança Azul e Branca, coalizão, eleições, Benny Gantz, Benjamin Netanyahu, Reuven Rivlin, árabes, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar