17:50 18 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Destróier norte-americano USS Decatur (imagem referencial)

    EUA enviam navio destruidor de mísseis de cruzeiro à Arábia Saudita, diz mídia

    © AP Photo / Marinha dos Estados Unidos
    Oriente Médio e África
    URL curta
    281232
    Nos siga no

    O USS Nitze teria sido enviado para o litoral da Arábia Saudita de acordo com canal de TV americano. A medida visaria tapar o "buraco" existente na defesa antiaérea saudita.

    O movimento seria uma resposta aos recentes ataques contra instalações petrolíferas sauditas, os quais os Estados Unidos alegam ser de autoria iraniana.

    Ainda segundo Washington, mísseis e drones do país persa teriam entrado pelo nordeste saudita, região para onde o USS Nitze teria sido enviado. Durante o ataque, a defesa antiaérea do país falhou.

    Para tapar o "buraco" deixado pelas defesas de Riad, Washington teria enviado o navio destruidor de mísseis, publicou o tele canal CBS.

    O destróier de mísseis guiados norte-americano Nitze
    © REUTERS / Peter Foley/File Photo
    O destróier de mísseis guiados norte-americano Nitze

    Além do Nitze, a região conta com a presença de outras embarcações com características semelhantes, como o USS Gonzalez, localizado ao sul do golfo Pérsico.

    É válido lembrar que o presidente norte-americano Donald Trump já deu sinal verde para o envio de mais tropas para a Arábia Saudita, em um esforço de reforçar a segurança do país aliado.

    Armamento

    O USS Nitze conta com um sistema de defesa antimíssil Aegis, além de transportar mísseis Tomahawk que podem atingir alvos terrestres a 1.600 km. A embarcação também pode disparar 73 mísseis SM-3.

    Mais:

    EUA enviam destróier para Líbano em meio a tensões entre Israel e Hezbollah
    Guarda Revolucionária: qualquer país que ataque Irã se converterá em campo de batalha
    Trump anuncia sanções contra Banco Nacional do Irã
    Tags:
    Arábia Saudita, Marinha dos EUA, navio de guerra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar