16:49 22 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Fumaça é vista após um incêndio nas instalações de Aramco na cidade oriental de Abqaiq, Arábia Saudita

    Como EUA poderiam se aproveitar dos ataques a refinarias sauditas?

    © REUTERS . Hamad I Mohammed
    Oriente Médio e África
    URL curta
    13719
    Nos siga no

    Os EUA vão usar os ataques de drones a refinarias da Arábia Saudita do sábado passado (14) para aumentar a pressão sobre o Irã, ponderou Boris Dolgov, pesquisador do Centro de Estudos Árabes e Islâmicos da Academia de Ciências da Rússia.

    De acordo com Dolgov, os EUA vão usar ataques a refinarias sauditas da mesma forma que usaram os ataques contra petroleiros no golfo Pérsico, ou seja, para intensificar a pressão político-diplomática, e talvez político-militar, sobre o Irã.

    "Talvez o Irã não tenha nada a ver com esses ataques, porque os houthis agem independentemente e não a mando do Irã", ressaltou à Sputnik.

    Dolgov acrescentou que os rebeldes houthis e o movimento Ansar Allah conseguiram "aumentar reputação" com os ataques a refinarias sauditas ao mostrar que houthis são capazes de atacar uma das mais importantes potências do golfo Pérsico e até mesmo influenciar o preço do petróleo, visto que Arábia Saudita diminuiu produção após ataques.

    "Ou seja, os houthis mostraram ser capazes de influenciar não apenas a situação no Oriente Médio e no golfo Pérsico, mas a geopolítica como um todo", agregou.

    Conflito militar entre Irã e EUA?

    Apesar de a situação ter sido agravada, um conflito militar é improvável, acredita Dolgov.

    "Não acredito que haverá um conflito militar amplo e de grande escala, porque é inaceitável tanto para os Estados Unidos quanto para o Irã. Para os EUA seria uma grande guerra, que custaria demais, e com contra-ataque do Irã, que possui mísseis balísticos e aviões", explicou.

    Além disso, Boris Dolgov ressaltou que Israel acabaria se envolvendo em caso de conflito entre os EUA e o Irã.

    "Israel seria imediatamente atacado pelo Irã em caso de conflito militar com os EUA. O governo iraniano já retrucou as ameaças dos EUA que, em caso de conflito com norte-americanos, 'Israel seria transformado em pó'. Trata-se de um perigo real, por isso é improvável que os EUA ataquem", concluiu.

    Ataque a refinarias sauditas

    No sábado (14), duas refinarias de petróleo na Arábia Saudita pegaram fogo devido a ataques de drones. A Arábia Saudita, que é uma das maiores exportadoras e uma das três maiores produtoras de petróleo do mundo, declarou que os ataques ocasionaram um corte de mais da metade da produção – 5,7 milhões de barris por dia de uma marca habitual de cerca de 9,8 milhões.

    Os rebeldes iemenitas houthis, contra os quais a coalizão árabe liderada pela Arábia Saudita está lutando desde 2015, declararam ser os responsáveis pelos ataques às refinarias sauditas. O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou o Irã de estar envolvido nos ataques. E as acusações foram refutadas imediatamente pelas autoridades iranianas.

    Mais:

    Presidente do Irã rebate Trump e diz que Irã nunca negociará com os EUA
    Senador dos EUA defende ataque contra refinarias do Irã: 'quebrará a base do regime'
    EUA não vão acabar com guerra no Iêmen culpando o Irã, diz Zarif
    Tags:
    EUA, Irã, drones, refinarias, ataque, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar