03:34 08 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Sírios evacuados da cidade de Aleppo durante o cessar-fogo chegam a um campo de refugiados em Rashidin, perto de Idlib, Síria.

    Governo retoma controle de províncias e milhares voltam às suas casas na Síria

    © AP Photo /
    Oriente Médio e África
    URL curta
    13340
    Nos siga no

    Vários milhares de civis voltaram para suas aldeias nas províncias sírias de Idlib e Hama pelo corredor humanitário de Suran, informou uma emissora estatal neste domingo (15).

    Em 22 de agosto, o Ministério das Relações Exteriores da Síria abriu um corredor humanitário protegido por militares na vila de Suran, no norte da província de Hama.

    Segundo publicou o canal de TV Ikhbariya, milhares de cidadãos deixaram as áreas controladas por militantes e retornaram às suas aldeias, libertadas pelo exército sírio, no norte da província de Hama e no sul da província de Idlib.

    Em agosto, o governo sírio realizou uma operação militar durante a qual retomou o controle sobre partes das províncias de Hama e Idlib que eram controladas por militantes desde 2014, incluindo a cidade estratégica de Khan Sheikhoun e um acesso à rodovia M5 que liga Damasco e Aleppo.

    A Síria vive em estado de guerra civil desde março de 2011. As forças do governo enfrentam a oposição armada de facções e grupos terroristas. Ao longo do conflito, centenas de milhares de pessoas foram mortas.

    Durante a semana, na quinta-feira (12), o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, declarou que "a guerra na Síria realmente chegou ao fim" e que o país "está retornando gradualmente a uma vida normal e pacífica".

    Mais:

    Reino Unido diz que Irã quebrou promessa de não vender petróleo para Síria
    Irã, Síria e eleições dominam encontro entre Putin e Netanyahu em Sochi
    EUA enviarão 150 tropas à Síria para patrulhas conjuntas com Turquia
    Chanceler russo diz que guerra na Síria 'realmente chegou ao fim'
    Tags:
    Sergei Lavrov, Hama, Idlib, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar