08:26 15 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    F-16 da Força Aérea do Paquistão

    Paquistão divulga VÍDEO de suposto ataque aéreo na região da Caxemira

    © AP Photo / Anjum Naveed
    Oriente Médio e África
    URL curta
    357
    Nos siga no

    A Força Aérea do Paquistão divulgou um vídeo da "operação de resposta rápida", realizada em retaliação aos ataques da Força Aérea indiana contra um campo paquistanês.

    O vídeo mostra a Força Aérea paquistanesa (PAF, na sigla em inglês) lançando bombas contra o exterior de um depósito de munições do Exército indiano.

    A PAF tinha como alvo a base de Narian, mas lançou as bombas a 400 metros do alvo como demonstração de força, evitando uma situação de maior conflito entre os dois países.

    "Este é um vídeo real da bomba que está sendo direcionada para o alvo", afirmou um porta-voz da PAF, enquanto as imagens aparentemente filmadas pela câmera integrada no míssil eram exibidas.

    ​Mirage da Força Aérea do Paquistão ataca Depósito de Munições de Narian com bombas de precisão.

    Além disso, a PAF mostrou fotos dos destroços da aeronave indiana MiG-21 Bison abatida durante os ataques do dia 27 de fevereiro.

    Por sua vez, a Índia não comentou a exibição ou veracidade das alegações paquistanesas.

    Em fevereiro, um atentado suicida contra as forças de segurança indianas na região da Caxemira, bem como a escalada da tensão entre os dois países, quase resultaram em uma guerra entre as duas potências nucleares asiáticas.

    A disputa pela Caxemira foi o motivo de três das quatros guerras entre a Índia e o Paquistão desde 1947, quando se tornaram independentes da Grã-Bretanha.

    Mais:

    Paquistão promete 'resposta mais completa possível' à Índia na Caxemira
    Reunido para discutir Caxemira, Conselho de Segurança da ONU não emite comunicado
    Troca de tiros entre Índia e Paquistão em Caxemira deixa ao menos 1 morto
    Tags:
    potência nuclear, tensão militar, tensão, Caxemira, Índia, ataque aéreo, Paquistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar