09:13 25 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 50
    Nos siga no

    Neste sábado (14), um ex-ministro da Saúde congolês foi detido por suposto desvio de fundos de combate à epidemia de Ebola no país, informou a polícia.

    Ao longo de quase um ano, o ex-ministro da Saúde do Congo, Oly Ilunga, supervisionou as ações contra do surto da doença na República Democrática do Congo, o segundo mais mortal da história. Ele foi destituído pela presidência em julho.

    Conforme publicado pela agência Reuters, no início de setembro os advogados de Ilunga disseram que ele havia sido interrogado pela polícia sobre seu papel nas ações contra o Ebola. A defesa nega qualquer irregularidade cometida por Ilunga.

    Em um comunicado, a polícia nacional disse que Ilunga foi detido porque as autoridades acreditavam que ele planejava fugir do Justiça ao deixar o país.

    "Infelizmente, a polícia recebeu informações sobre seu desaparecimento com a intenção de chegar ao Congo-Brazzaville", disse a assessoria de imprensa da polícia à Reuters, referindo-se ao país vizinho.

    A assessoria da polícia afirmou que Ilunga está sob custódia da polícia e será apresentado a um promotor em 16 de setembro.

    Seus advogados recusaram comentários imediatos.

    Doadores estrangeiros forneceram mais de US$ 150 milhões para financiar uma campanha contra o Ebola, em 2018. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), os valores ainda estão abaixo do necessário.

    Até agora, o surto de Ebola matou mais de 2 mil pessoas e infectou outras mil. O surto com mais mortes pela doença acontecer entre 2013 e 2016 na África Ocidental, deixando mais de 11,3 mil mortos.

    Mais:

    Novos casos de ebola são confirmados no Congo despertando preocupação de autoridades
    Ebola volta a assustar: República Democrática do Congo já tem quase 30 casos confirmados
    República Democrática do Congo registra mais de mil casos de Ebola
    Ebola já provocou quase mil mortes na República Democrática do Congo
    Tags:
    ONU, República Democrática do Congo, Oly Ilunga
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar