17:49 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, discursa em uma reunião do seu partido em Amasya, Turquia, em 28 de janeiro de 2018

    Erdogan diz que é inaceitável que a Turquia não possa ter armas nucleares

    © AP Photo / Yasin Bulbul
    Oriente Médio e África
    URL curta
    22424
    Nos siga no

    O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta quarta-feira que é inaceitável que os Estados com armamentos atômicos proíbam Ancara de obter suas próprias armas nucleares, mas não disse se a Turquia tem planos de obtê-las.

    "Alguns países têm mísseis com ogivas nucleares, não um ou dois. Mas [eles nos dizem que] nós não podemos tê-los. Isso, eu não posso aceitar", ponderou ele aos membros do partido governista AK na cidade de Sivas, no leste do país.

    "Não existe nação desenvolvida no mundo que não os possua", acrescentou. Todavia, muitos países desenvolvidos não possuem armas nucleares.

    A Turquia assinou o Tratado de Não Proliferação Nuclear em 1980 e também assinou o Tratado de Proibição Completa de Testes Nucleares de 1996, que proíbe todas as detonações nucleares para qualquer finalidade.

    Erdogan deu a entender que queria a mesma proteção para a Turquia que Israel já tem.

    "Temos Israel por perto, como quase vizinhos. Eles assustam [outras nações] ao possuí-los. Ninguém pode tocá-los", reclamou o líder turco.

    Analistas estrangeiros dizem que Israel possui um arsenal nuclear considerável. Israel mantém uma política de ambiguidade em torno da questão nuclear, recusando-se a confirmar ou negar suas capacidades.

    Mais:

    'Posso comprá-lo?': Putin e Erdogan examinam Su-57 (VÍDEO)
    Erdogan: EUA não podem impedir criação de zona tampão na Síria
    Caças russos Su-35 e Su-57 estão nos planos de Erdogan em vez dos F-35 norte-americanos
    Tags:
    Recep Tayyip Erdogan, soberania, defesa, diplomacia, Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, bomba atômica, armas nucleares, Israel, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar