14:31 21 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Petroleiro iraniano Grace 1 no estreito de Gibraltar

    EUA emitem ordem para deter petroleiro iraniano liberado por Gibraltar

    © REUTERS / Jon Nazca
    Oriente Médio e África
    URL curta
    171141
    Nos siga no

    Um tribunal dos EUA emitiu uma ordem de apreensão do petroleiro iraniano Grace 1 e confisco de todo o petróleo que está no navio, informou o Departamento de Justiça dos EUA.

    Segundo a entidade, o navio, todo o óleo que o petroleiro transporta e 995 mil dólares devem ser confiscados devido à violação da Lei Internacional de Poderes Econômicos de Emergência (IEEPA na sigla em inglês) norte-americana, assim como das leis sobre fraude bancária, lavagem de dinheiro e da lei de confisco por atividades ligadas ao terrorismo.

    Afirma-se que o petroleiro transportava petróleo do Irã para a Síria no interesse da Guarda Revolucionária iraniana, que antes foi declarada pelos EUA como uma organização terrorista.

    O petroleiro iraniano Grace 1
    © REUTERS / Jon Nazca
    O petroleiro iraniano Grace 1

    Antes, na quinta-feira (15), o Departamento de Estado ameaçou com consequências sérias todos os que estão ligados ao Grace 1.

    Apreensão do Grace 1

    Em 4 de julho, Gibraltar suspeitou que o petroleiro estaria violando as sanções da União Europeia contra a Síria. A polícia deteve o capitão, o imediato do navio e mais dois membros da tripulação. Na quinta-feira (15), o embaixador do Irã em Londres anunciou que o Grace 1 logo iria partir do território.

    Irã considerou a libertação do petroleiro em Gibraltar como uma vitória da diplomacia e falha da política da Casa Branca.

    Mais:

    Fuzileiros dos EUA instalam blindado em convés para defender navio no estreito de Ormuz (FOTO)
    Gibraltar avaliará qualquer tentativa dos EUA de impedir partida do petroleiro iraniano
    Pentágono investe US$ 200 milhões em navios de guerra de EUA e aliados
    Tags:
    petroleiro, EUA, Gibraltar, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar