18:51 25 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    7182
    Nos siga no

    O ministro da Indústria e Tecnologia da Turquia comentou a situação com a compra do sistema russo de defesa aérea S-400 pela Turquia e a reação dos EUA quanto à aquisição, que está relacionada com as entregas dos caças F-35.

    Os mísseis desenvolvidos para os caças F-35 podem ser usados pela Turquia nos aviões de produção nacional e veículos aéreos não tripulados (VANT), disse o ministro da Indústria e Tecnologia, Mustafa Varank, durante o encontro com a imprensa na 22ª edição do Festival Nacional de Observação Aérea, realizada na Antália.

    Ele destacou que os países do programa F-35 têm interesse em comprar este tipo de mísseis de cruzeiro: "Nós podemos facilmente vender estes mísseis mesmo se estivermos fora do programa".

    Varank indicou que o míssil de cruzeiro SOM-J, de produção turca, pode também ser integrado com o drone Akinci, desenvolvido pela empresa turca Baykar. Ele adicionou que o objetivo final será a fabricação de aeronaves de combate não tripuladas.

    "Esse é o futuro dos drones. Eu creio que o Akinci terá um enorme efeito multiplicador na nossa indústria de defesa", declarou ele.

    Desacordo entre Ancara e Washington

    A Turquia e os EUA têm estado em desacordo depois da decisão de Ancara de comprar o sistema de defesa aérea russo S-400. Washington, em resposta, ameaçou retirar a Turquia do programa de desenvolvimento e venda dos caças F-35.

    O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, avisou que, caso os EUA se recusem a vender os seus caças F-35 para a Turquia, o país "tem mais uma vez que tomar medidas e se virar para algum outro lado" para comprar caças para sua Força Aérea.

    Mais:

    Problemas 'atormentam' programa do caça F-35, diz senador dos EUA
    Israel teria pressionado EUA para expulsar Turquia do programa de caças F-35
    Turquia comprará caças de outros países se EUA não venderem F-35, afirma Erdogan
    Tags:
    Turquia, F-35, s-400
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar