09:00 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Corveta Magdeburg de 89 metros de comprimento no porto da marinha de Warnemunde perto de Rostock, no norte da Alemanha, agosto 17. 2007

    Alemanha recusa proposta formal dos EUA de se unir à 'pressão máxima' contra Irã

    © AP Photo / Thomas Haentzschel
    Oriente Médio e África
    URL curta
    20484
    Nos siga no

    EUA solicitaram formalmente que Alemanha, França e Reino Unido se juntem à missão no golfo Pérsico para "combater a agressão iraniana", comunicou a embaixada dos EUA em Berlim, mas o pedido foi recusado pelo governo alemão.

    "Pedimos formalmente que Alemanha nos ajude a proteger o estreito de Ormuz e a combater a agressão iraniana, juntamente com França e Reino Unido", afirmou uma porta-voz da embaixada à agência alemã DPA, nesta terça-feira (30).

    Entretanto, a Alemanha já rejeitou a proposta de "pressão máxima" dos EUA. Questionado sobre a solicitação formal dos EUA, o Ministério das Relações Exteriores da Alemanha revelou para a Sputnik que Berlim não está considerando seriamente a proposta norte-americana.

    "Os EUA apresentaram recentemente o seu conceito de uma missão de observação naval no golfo Pérsico a vários aliados, incluindo a Alemanha, e solicitando que participassem. O governo tomou nota da proposta, mas não fez promessas", declarou o Ministério das Relações Exteriores alemão.

    Segundo declaração da chancelaria alemã, o ministro das Relações Exteriores "tem enfatizado repetidamente que, em nossa opinião, a prioridade deve ser dada à redução das tensões e aos esforços diplomáticos", estando a participação alemã na estratégia americana de "pressão máxima" descartada.

    Estratégia de 'pressão máxima'

    Anteriormente, autoridades alemãs e britânicas disseram que não apoiavam a estratégia de "pressão máxima" dos EUA contra Teerã, mas acolheram uma operação proposta por Londres para um esforço de segurança liderado pela Europa para "proteger" os navios comerciais que operam no golfo Pérsico e perto do estreito de Ormuz.

    A ministra da Defesa alemã, Annegret Kramp-Karrenbauer, insistiu que cada pedido deve ser cuidadosamente ponderado, dependendo da situação específica. "Podemos falar sobre isso primeiro e decidir [apenas] se soubermos o que exatamente está sendo planejado", afirmou a ministra.

    'Coalizão internacional'

    No fim da semana passada, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, declarou ter convidado alemães, franceses e britânicos para uma "coalizão internacional" proposta pelos EUA, juntamente com Austrália, Japão, Noruega, Coreia do Sul e outros países.

    Os EUA indicaram previamente a criação de um "quadro de segurança marítima internacional", conhecido como Sentinela Operacional, com o objetivo de "reforçar a segurança" dos navios comerciais que operam no golfo Pérsico, no estreito de Ormuz, no estreito de Bab-el-Mandeb e no golfo de Omã, na sequência dos recentes ataques a petroleiros na região.

    Washington responsabilizou o Irã pelos ataques. Teerã negou as alegações e acusou os EUA e seus aliados israelenses e sauditas de exacerbarem deliberadamente a situação na região.

    Mais:

    EUA estão prontos a negociar com Irã sem condições pré-estabelecidas, diz Pompeo
    Terrorismo e fim do acordo nuclear: chanceler do Irã ataca os EUA em visita à Venezuela
    Brasil pode 'pagar o pato' por alinhar-se aos EUA contra o Irã, diz especialista
    Tags:
    coalisão, pedido, Estreito de Ormuz, Alemanha, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar