03:57 26 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    O presidente dos EUA, Donald Trump, conversa com o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, na chegada entrada da Ala Oeste da Casa Branca, em Washington, EUA, em 16 de maio de 2017.

    Trump diz que EUA não 'estão olhando agora' para sanções contra Turquia

    © REUTERS / Joshua Roberts
    Oriente Médio e África
    URL curta
    245

    O presidente dos EUA, Donald Trump, declarou que não está considerando impor imediatamente novas sanções contra a Turquia depois que o acordo com os russos pelo sistema S-400 foi feito. Mais cedo, os EUA cortaram a Turquia do programa de caças F-35.

    "Não estamos olhando para isso agora", disse Trump a jornalistas na Casa Branca, quando questionados sobre possíveis sanções adicionais contra Ancara por causa do acordo que irritou o establishment dos EUA e exacerbou ainda mais as tensões entre os dois aliados da OTAN.

    A Turquia pode, de fato, enfrentar algumas restrições sob o Ato Contra os Adversários da América Contra as Sanções, ou CAATSA - uma legislação de 2017 que impunha sanções contra a Rússia, Coreia do Norte e Irã. Ele também permite que Washington puna qualquer outra nação que participe de uma "transação significativa" com os setores de defesa ou inteligência da Rússia.

    A legislação prevê toda uma série de medidas que Ancara poderia enfrentar, desde a limitação do tamanho dos empréstimos bancários dos EUA a empresas turcas até o bloqueio total do acesso ao sistema financeiro dos EUA. No entanto, não especifica quando tais medidas devem ser implementadas.

    Trump, no entanto, parece relutante em recorrer a essas medidas. Washington já seguiu em frente com uma de suas ameaças e cortou a Turquia de seu programa de combate F-35 - algo que repetidamente advertia que faria se Ancara continuasse com seus planos em relação ao sistema de defesa aérea russo. Ao mesmo tempo, o presidente deixou claro na terça-feira que era uma decisão desconfortável.

    Caças norte-americanos F-35
    © AP Photo / Petros Karadjias
    Caças norte-americanos F-35

    "É uma situação muito difícil em que eles [a Turquia] estão, e é uma situação difícil em que fomos colocados, os Estados Unidos", afirmou. A medida, entretanto, aparentemente só irritou Ancara, que atacou Washington dizendo que tal medida é "incompatível com o espírito de aliança" e era absolutamente injustificada.

    O Ministério de Relações Exteriores da Turquia disse na quarta-feira que a exclusão de "um dos principais parceiros do programa F-35 é injusta", ao mesmo tempo em que rejeita as preocupações dos EUA de que o S-400 enfraqueça o F-35. Mais cedo, Washington afirmou que os sistemas de defesa antiaérea fabricados na Rússia poderiam, de alguma forma, obter inteligência sobre as "capacidades avançadas" dos jatos dos EUA.

    Em sua tentativa de punir Ancara, os EUA de fato se colocam em um beco também. A Turquia, que planejava comprar cerca de 100 caças, foi um dos quatro principais clientes do programa. Além disso, a Turquia também produziu 900 peças para a aeronave. Agora, transferir a produção dessas peças da Turquia para outro país pode custar a Washington entre US$ 500 e US$ 600 milhões, segundo uma autoridade dos EUA citada pela Agência Reuters.

    Mais:

    Erdogan: acordo com Rússia sobre S-400 é 'o mais importante na história da Turquia'
    Turquia admite possibilidade de abandonar OTAN
    Rússia diz estar disposta a fornecer caças Su-35 à Turquia
    Tags:
    OTAN, segurança, defesa, diplomacia, sanções, F-35, S-400, Recep Tayyip Erdogan, Donald Trump, Turquia, Rússia, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar