13:43 21 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    8293
    Nos siga no

    O presidente turco Recep Tayyip Erdogan disse a repórteres nesta quarta-feira (10) que Ancara utilizará os sistemas russos de defesa antiaérea S-400 em caso de possível ataque à Turquia.

    "Alguns se perguntam por que estamos comprando [S-400] e fazendo tal investimento. Se necessário, teremos o direito de usá-los. Se alguém nos atacar, usaremos esses sistemas de mísseis, e é por isso que estamos fazendo tal investimento", informa o jornal turco Hurriyet, citando Erdogan.

    Erdogan também confirmou a disponibilidade de a Turquia vir a participar da produção dos sistemas S-400.

    "No que diz respeito à produção conjunta, não temos quaisquer problemas com a Rússia. No início de nossas negociações com o presidente Putin, chegamos a um acordo sobre o assunto. Espero que iniciemos a produção conjunta, porque não há problemas no momento", disse Erdogan, referindo-se a "várias especulações" dos que querem que a Turquia abandone o acordo S-400.

    Preocupações dos EUA

    A cooperação da Turquia com a Rússia nesta questão tem sido repetidamente criticada pela OTAN e pelos EUA, que citaram preocupações de segurança e a incompatibilidade do S-400 com os sistemas de defesa antiaérea da Aliança Atlântica.

    O presidente turco Erdogan, por sua vez, referiu-se ao acordo entre Moscou e Ancara de fornecimento dos S-400 como "acordo fechado".

    Os EUA alegam que sistemas S-400 são incompatíveis com as normas de equipamento militar da OTAN e representa uma ameaça aos aviões de combate F-35. Washington ameaçou aplicar sanções a Ancara e não fornecer caças F-35 se o governo turco receber sistemas russos de defesa antiaérea.

    Mais:

    Ancara: pressão dos EUA quanto à compra dos sistemas S-400 contradiz relações de aliados
    Rússia está disposta a fornecer sistemas S-400 para Irã
    Erdogan: sistemas russos S-400 chegam em 10 dias
    Tags:
    defesa, uso, Turquia, Rússia, S-400
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar