09:52 19 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Ministério das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif

    Chanceler iraniano apela a três países da UE a apoiarem Irã frente às ações unilaterais dos EUA

    © AP Photo / Petr David Josek
    Oriente Médio e África
    URL curta
    492

    O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohamad Javad Zarif, pediu que à França, Alemanha e Reino Unido, o chamado grupo UE-3, apoie o Irã frente às ações unilaterais dos EUA.

    "Hoje, o Irã está adotando sua segunda rodada de medidas corretivas de acordo com o artigo 36 do JCPOA. Nos reservamos o direito de continuar tomando medidas legais nos termos do JCPOA para proteger nossos interesses contra o terrorismo econômico dos EUA”, escreveu o ministro em sua página no Twitter.

    ​Ele acrescentou que "todos esses passos só são reversíveis no caso de acordo do UE-3". Essas declarações de Zarif apareceram em meio à decisão iraniana de aumentar o enriquecimento de urânio acima do limite estabelecido (3,67%) no acordo JCPOA.

    Para o ministro iraniano, os três países do UE-3 violaram suas obrigações fixadas no JCPOA após a retirada dos EUA do pacto nuclear e "deveriam, no mínimo, apoiar politicamente as medidas corretivas do Irã, conforme o artigo 36" deste acordo.

    ​"O UE-3 não tem pretexto para evitar uma posição política firme a fim de preservar o JCPOA e resistir ao unilateralismo dos EUA", disse Zarif.

    Reação europeia

    Enquanto isso, a Alemanha e seus parceiros estão preocupados com as declarações do Irã sobre o enriquecimento de urânio. O Ministério das Relações Exteriores da Alemanha pede a Teerã que suspenda quaisquer passos que não correspondam aos compromissos do JCPOA.

    "Temos apelado por diversas vezes ao Irã no âmbito do UE-3 e em nome da União Europeia a não tomar medidas que abalem mais o acordo nuclear", refere o comunicado do ministério

    EUA: sanções contra Irã e retirada do acordo

    O vice-ministro das Relações Exteriores do Irã também disse, em comunicado à imprensa, que os EUA podem voltar às negociações sobre o acordo nuclear se retirarem as sanções contra o seu país.

    "Se necessário, os EUA podem regressar a essas conversações [entre o Irã e o grupo 4+1, criado para negociar o programa nuclear do Irã]", disse o vice-ministro.

    Ele notou que isso não significa formar novamente o grupo 5+1, adicionando que os EUA se retiraram do JCPOA, por isso o conceito político "5+1" não existe mais.

    Passos do Irã

    Além de ter excedido o limite de 300 quilos de urânio enriquecido até um máximo de 3,67%, o Irã anunciou em 7 de julho que não irá cumprir o grau de enriquecimento de urânio especificado no acordo nuclear e que reduzirá suas obrigações no prazo de 60 dias.

    O artigo 36 da PAIC define um mecanismo para a resolução de divergências em relação a possíveis violações do acordo.

    Se a questão não for resolvida de forma satisfatória para o queixoso e se o queixoso considerar que se trata de um incumprimento importante, ele pode considerar que é razão significativa para deixar de cumprir os seus compromissos no âmbito do JCPOA, completamente ou em parte, ou relatar ao Conselho de Segurança das Nações Unidas que, em sua opinião, o assunto constitui um incumprimento significativo.

    Mais:

    Macron define data para reabrir negociações nucleares com o Irã
    'Ato de terrorismo': presidente do Irã sobe o tom contra sanções dos EUA
    Trump diz que Irã faz 'ameaças' ao anunciar enriquecimento de urânio
    Irã desvenda rede de espionagem na infraestrutura nuclear
    Tags:
    acordo nuclear, França, Reino Unido, Alemanha, JCPOA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar