02:36 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Soldados norte-americanos no Afeganistão

    Trump diz que manterá forças de 'inteligência muito forte' no Afeganistão após saída de tropas

    © AFP 2019 / WAKIL KOHSAR
    Oriente Médio e África
    URL curta
    704
    Nos siga no

    Os EUA reduzirão suas tropas no Afeganistão, mas deixarão unidades de inteligência na região, afirmou o presidente norte-americano, Donald Trump.

    "Eu deixaria lá uma inteligência muito forte […] Muito mais do que você normalmente imaginaria", declarou Trump ao canal Fox News nesta terça-feira (2).

    "Olha, eu gostaria de sair [do Afeganistão]. O problema é que o país parece ser apenas um laboratório para terroristas, eu o chamo de Harvard dos Terroristas", ressaltou o líder americano durante entrevista.

    O porta-voz do Talibã, Muhammad Sohail Shaheen, afirmou a repórteres no final de maio que seu movimento espera que Washington anuncie sua retirada do Afeganistão na próxima rodada de negociações, e que o país árabe está "trabalhando para reescrever o esboço do acordo e incorporar nele cláusulas que foram negociadas".

    O representante especial dos EUA para a reconciliação no Afeganistão, Zalmay Khalilzad, comentou que uma nova reunião intra-afegã será realizada em Doha de 7 a 8 de julho com a mediação da Alemanha e do Qatar.

    Plano de saída

    Em dezembro de 2018, a administração Trump planejou retirar o seu contingente do país, mas a proposta foi recebida com resistência por parte dos legisladores republicanos.

    Os EUA e seus aliados têm operado no Afeganistão contra o Talibã e outros grupos desde 2001. Esta campanha militar foi a mais longa da história das forças militares americanas.

    Mais:

    General: EUA devem manter tropas no Afeganistão como 'enquanto insurgência existir'
    Alemanha e Qatar buscam intermediar conversas de paz no Afeganistão
    Ataque suicida deixa vítimas na capital do Afeganistão
    Tags:
    Donald Trump, presença militar, EUA, Afeganistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar