22:52 11 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Rebeldes Houthis armados no Iêmen

    Houthis acusam exército do Iêmen de bombardear prédio da ONU

    © AP Photo / Hani Mohammed
    Oriente Médio e África
    URL curta
    310
    Nos siga no

    Os rebeldes do movimento iemenita Ansar Allah (Houthis) acusaram o Exército do Iêmen de bombardear um prédio da ONU no porto de Al Hudeida, no oeste do país, informou a emissora Al Masirah, controlada pelos houthis.

    "O exército atirou morteiros contra o prédio da ONU no bairro de Al Rabsa, no sul da cidade de Al Hudaida", alegou o canal.

    A notícia ressalta que três projéteis caíram no leste da cidade.
    O Iêmen vive, desde 2014, um conflito armado entre os partidários do presidente do país, Abdo Rabu Mansur Hadi, e os houthis.

    ​Em março de 2015, uma coalizão liderada pela Arábia Saudita e composta principalmente por países do golfo Pérsico, interveio no conflito do lado do governo iemenita.

    As forças do governo conseguiram recuperar o controle de Aden, a capital do sul do país, mas a luta pelo resto das províncias do Iêmen continua.

    Em dezembro de 2018, os lados do conflito no Iêmen realizaram negociações na Suécia, patrocinadas pela ONU, cujos principais sucessos foram a retirada de tropas do porto de Al Hudaida, que desde julho tem sido palco de combates, e o estabelecimento de uma trégua.

    Apesar dos acordos alcançados em Estocolmo, a retirada das forças da cidade e o fim das hostilidades não aconteceram.

    A guerra no Iêmen ceifou a vida de mais de 91 mil pessoas, de acordo com a ONG ACLED (Projeto de Dados e Localização de Conflitos Armados), que coleta e analisa informações sobre violência política e protestos em todo o mundo.

    Mais:

    Mídia: houthis derrubam avião de reconhecimento saudita no céu sobre Iêmen
    Coalizão saudita ataca embarcações houthis no Iêmen
    Tanque da época da Segunda Guerra Mundial foi aniquilado no Iêmen (VÍDEO)
    Tags:
    bombardeio, ONU, Houthis, Iêmen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar