10:23 23 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Ministro das Relações Exteriores do Irão Mohammad Javad Zarif

    Chanceler do Irã zomba das palavras de Trump sobre 150 vítimas, lembrando passado nuclear dos EUA

    © Sputnik / Valeriy Melnikov
    Oriente Médio e África
    URL curta
    11292
    Nos siga no

    As tensões entre os EUA e o Irã chegaram a um estado de incandescência após a derrubada do drone estadunidense na quinta-feira (20) pelas forças iranianas.

    Mohammad Zarif, ministro das Relações Exteriores do Irã, assinalou nesta terça-feira (25), citado pela agência de notícias iraniana IRIB, que o seu país não está preparado para prosseguir um programa de armamento nuclear "por causa das nossas visões religiosas", ao contrário dos EUA.

    Mohammad Zarif apontou para o fato de os EUA terem no passado amplamente usado seu arsenal nuclear, referindo especialmente as declarações recentes de Donald Trump de ter cancelado o ataque militar contra o Irã, porque de outra forma teria morto 150 pessoas.

    "Estava mesmo preocupado com 150 pessoas? Quantas pessoas é que [os EUA] já mataram com as armas nucleares?" - perguntou retoricamente Zarif, em uma aparente alusão aos bombardeamentos atômicos devastadores de Hiroshima e Nagasaki, em agosto de 1945, que puseram fim à Segunda Guerra Mundial.

    O presidente dos EUA informou nesta segunda-feira (24) que as novas sanções aplicadas ao Irã visam como alvo o líder supremo do país, aiatolá Ali Khamenei, e o seu círculo próximo.

    Na semana passada, Teerã derrubou um drone espião americano RQ-4 Global Hawk, que, de acordo com a República Islâmica, teria violado o espaço aéreo do país. No entanto, os militares norte-americanos afirmaram que o veículo não pilotado estava voando no espaço aéreo internacional no estreito de Ormuz .

    Mais:

    Venda de drones por empresa dos EUA estaria por trás de possível guerra com Irã, aponta relatório
    Tags:
    sanções, drone, ataque nuclear, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar