02:11 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Abbas Araghchi

    Vice-chanceler do Irã diz que decisão sobre acordo nuclear é 'irreversível'

    © AFP 2019 / ATTA KENARE
    Oriente Médio e África
    URL curta
    9202
    Nos siga no

    O vice-ministro das Relações Exteriores do Irã, Abbas Araqchi, afirmou que a decisão de Teerã de reduzir seu compromisso com o Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), também conhecido como acordo nuclear iraniano, foi uma decisão nacional e é irreversível, já que as exigências do Irã não foram acatadas.

    "Os signatários europeus do acordo não têm a vontade de salvar o acordo. Nossa decisão de diminuir nosso comprometimento com o acordo é uma decisão nacional e é irreversível, desde que nossas exigências não sejam atendidas", disse Araqchi depois de se encontrar com o ministro britânico para o Oriente Médio, em Teerã, segundo a Reuters.

    No dia 8 de maio, o Irã anunciou que deixaria de cumprir parcialmente suas obrigações no JCPOA. No mesmo dia, o Irã deu um ultimato aos outros signatários - China, União Europeia, França, Alemanha, Rússia e Reino Unido - dizendo que reduziria algumas de suas obrigações dentro de 60 dias, caso os países não fizessem esforços para contornar as sanções impostas pelos EUA.

    A decisão iraniana vem um ano depois dos EUA saírem do acordo, assinado em 2015. Após a saída anunciada pelo presidente norte-americano, Donald Trump, sanções econômicas foram reimpostas sobre o Irã.

    Drone Global Hawk RQ-4
    © CC0
    Drone Global Hawk RQ-4

    O secretário do Conselho Supremo de Segurança Nacional, Ali Shamkhani, disse antes que o país não considera a possibilidade de um Estado como mediador no diálogo entre Irã e EUA sobre o JCPOA.

    "A mediação está fora de questão sobre essa questão. Os Estados Unidos saíram do JCPOA de forma unilateral, descumpriram sias obrigações e introduziram sanções ilegais sobre o Irã. Os Estados Unidos devem retornar ao ponto de início e corrigir seus erros. Esse processo precisa de mediação", disse Shamkhani.

    Enquanto isso, o ministro alemão das Relações Exteriores disse que um encontro da Comissão Conjunto do JCPOA será realizado em Viena no dia 28 de junho reunindo diretores políticos. O encontro acontece em meio a um aumento da escalada de tensão no Oriente Médio.

    O serviço diplomático da União Europeia disse mais cedo que o objetivo do encontro seria a resolução de problemas causados pelas sanções dos EUA, assim como a revisão das declarações feitas pelo Irã acerca de suas obrigações no JCPOA.

    Conflito se agrava após abatimento de drone dos EUA

    Na quinta-feira (20), a Guarda Revolucionária do Irã abateu um drone norte-americano de modelo Grumman RQ-4 Global Hawk utilizado para vigilância na região costeira da província de Hormozgan.

    Segundo os militares iranianos, o drone dos EUA violou o espaço aéreo iraniano. Já os EUA afirmam que um míssil do Irã abateu o drone enquanto ele sobrevoava águas internacionais sobre o estreito de Ormuz. Neste domingo (23), outro drone dos EUA teria entrado no espaço aéreo do Irã.

    A reação a esses incidentes, Donald Trump disse inicialmente que o Irã havia cometido "um grande erro", mas em seguida disse a repórteres que duvidava que o drone havia sido derrubado de forma intencional. Alguns congressistas dos EUA, no entanto, pediram medidas militares contra Irã como resposta ao incidente.

    Trump autoriza ataque mas volta atrás

    O jornal The New York Times publicou na quinta-feira (20), citando uma fonte oficial da Casa Branca que Trump teria autorizado ataques contra o Irã, mas na última hora voltou atrás de sua decisão.

    Mais cedo neste domingo (23), o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov chamou a situação no Golfo Pérsico de tensa e extremamente preocupante. O vice-ministro de Relações Exteriores da Rússia, Serguei Ryabkov, disse que o perigo de um conflito entre os EUA e o Irã não desapareceu e Moscou pede que Washington pese as consequências e evite decisões mal aconselhadas.

    Mais:

    Trump diz que aplicará novas sanções contra o Irã e que ação militar ainda é opção
    EUA ameaçam o Irã com mais isolamento e pressão
    Trump diz que não cancelou ordem sobre ataque ao Irã
    Venda de drones por empresa dos EUA estaria por trás de possível guerra com Irã, aponta relatório
    Tags:
    Donald Trump, Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar