13:28 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeiras da Rússia e da Síria no convés do porta-aviões russo Admiral Kuznetsov no Mediterrâneo

    Rússia não negocia aliados: presidente russo sobre possível acordo com EUA em relação à Síria

    © Sputnik / Serviço de Imprensa da Frota do Norte/Andrey Luzik/USO EDITORIAL
    Oriente Médio e África
    URL curta
    8270
    Nos siga no

    Durante a linha direta com os cidadãos russos, o presidente Vladimir Putin comentou várias questões da agenda internacional, como a situação no Oriente Médio.

    Assim, o presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que a Rússia não negocia aliados, respondendo à pergunta sobre um possível negócio com os EUA quanto à Síria.

    "O que é um negócio? É alguma iniciativa comercial, ações. Nós não negociamos os nossos aliados, tampouco nossos interesses e nossos princípios. É possível acordar com nossos parceiros sobre a resolução de problemas atuais", disse Putin.

    Ele adicionou que a Rússia, Irã, Turquia, EUA e outros países devem unir esforços para resolver questões como a regulação política na Síria por meio da criação de um Comitê Constitucional.

    Consequências imprevistas

    Além disso, o presidente comentou as recentes tensões entre os EUA e o Irã. De acordo com ele, a situação pode levar a uma catástrofe para toda a região, mas as consequências podem também afetar os Estados Unidos.

    "Os EUA afirmam não descartar a utilização da força militar. Mas desde já quero dizer que isso seria uma catástrofe para a região, no mínimo. Tal levaria a um surto de violência e, talvez, ao aumento do número de refugiados da região", afirmou o líder russo.

    Ele acrescentou que "para os que empreenderem tais tentativas, isso traria, possivelmente, consequências tristes".

    "É difícil avaliar o que ocorreria em caso de uso da força militar. É que o Irã é um país xiita, e até no mundo islâmico se considera que eles são pessoas capazes de extremos se precisarem de se proteger, de proteger seu próprio país", assinalou o presidente.

    Anteriormente, no golfo de Omã foram atacados os petroleiros Front Altair e Kokuka Courageous. Após as explosões e incêndios, ambas as tripulações foram evacuadas para o território do Irã e para bordo de um destróier americano. Ninguém morreu em resultado do incidente.

    Os EUA acusaram o Irã de ter atacado os petroleiros. O chanceler iraniano, Mohammad Javad Zarif, rotulou como infundadas as acusações contra o país dele. O exército iraniano afirmou ter enviado um navio e um helicóptero para o local do incidente para resgatar e socorrer as pessoas.

    Mais:

    Putin diz que espera que EUA percebam que sanções contra Moscou 'são um grande erro'
    Por que EUA enviam sistemas Patriot para Oriente Médio? Especialista esclarece
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar