04:07 21 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Imagem alegadamente ligada aos ataques a dois petroleiros no golfo de Omã

    Marinha dos EUA divulga novas FOTOS que 'culpam' Irã pelo ataque a petroleiros

    © REUTERS / Marinha dos EUA
    Oriente Médio e África
    URL curta
    261118

    A Marinha dos Estados Unidos divulgou novas imagens do ataque a petroleiros no golfo de Omã que alegadamente provam a culpa do Irã na ofensiva.

    Washington afirma que as imagens recém-divulgadas provam de alguma forma que Teerã esteve por trás do ataque.

    De acordo com o Pentágono, nas imagens é possível ver uma lancha, presumivelmente iraniana, que se aproxima do navio japonês Kokuka Courageous para remover uma mina naval ainda não detonada.

    As novas fotografias mostram o mesmo episódio anteriormente apresentado em um vídeo de baixa qualidade lançado pelo Exército americano. Entre elas estão fotos das impressões digitais da pessoa que removeu o objeto.

    Fotografia divulgada pela Marinha dos EUA alegadamente ligada aos ataques a dois petroleiros no golfo de Omã, 17 de junho de 2019
    © REUTERS / Marinha dos EUA
    Fotografia divulgada pela Marinha dos EUA alegadamente ligada aos ataques a dois petroleiros no golfo de Omã, 17 de junho de 2019

    Na fotografia que mostra um buraco no casco do petroleiro, que também foi compartilhada, o Pentágono alega que a deformação na embarcação foi causada pela explosão de outra mina.

    Buraco no casco do navio petroleiro Kokuka Courageous
    © REUTERS / Marinha dos EUA
    Buraco no casco do navio petroleiro Kokuka Courageous

    "O Irã é responsável pelo ataque com base em evidências de vídeo e [por o país ter] os recursos e proficiência necessários para remover rapidamente a mina naval não detonada", disse o Exército dos EUA em declaração.

    Foto tirada pela Marinha dos EUA no dia 13 de junho de 2019 alegadamente ligada aos ataques a dois petroleiros no golfo de Omã
    © REUTERS / Marinha dos EUA
    Foto tirada pela Marinha dos EUA no dia 13 de junho de 2019 alegadamente ligada aos ataques a dois petroleiros no golfo de Omã

    Na segunda-feira (17), o Departamento de Defesa dos EUA anunciou o envio de cerca de 1.000 soldados adicionais ao Oriente Médio para defender os interesses de Washington após os "recentes ataques iranianos".

    Impressão da palma da mão no casco do navio petroleiro Kokuka Courageous
    © REUTERS / Marinha dos EUA
    Impressão da palma da mão no casco do navio petroleiro Kokuka Courageous

    Apesar das alegações, o proprietário do navio Kokuka Courageous descreveu como "falsas" as informações sobre o alegado uso de minas neste ataque, especificando que a tripulação viu "objetos voadores" antes das explosões, apontando que eles poderiam ter sido projéteis.

    No dia 13 de junho, os petroleiros Kokuka Courageous e Front Altair foram atacados quando navegavam pelo golfo de Omã, tendo sido atingidos por explosões e incêndios.

    Teerã considera as acusações "infundadas" e nega categoricamente que a República Islâmica tenha qualquer ligação com o acontecimento. O ministro iraniano das Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, qualificou os incidentes de "suspeitos".

    Mais:

    Inteligência do Reino Unido: Irã está 'quase certamente' por trás dos ataques a petroleiros
    Japão duvida de versão americana e pede mais evidências do suposto ataque iraniano a petroleiros
    Príncipe saudita acusa o Irã por ataques a petroleiros no Golfo de Omã
    Tags:
    EUA, Irã, ataques, petroleiros, Golfo de Omã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar