11:54 17 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente iraniano, Hassan Rouhani, falando durante uma reunião com os ministros em Teerã, Irã, 11 de outubro de 2017

    Presidente iraniano: potencial de pressão de Washington sobre Teerã se esgotou

    © AP Photo/ Gabinete do presidente iraniano
    Oriente Médio e África
    URL curta
    8160
    Nos siga no

    Hassan Rouhani, o presidente do Irã, declarou que o potencial de pressão dos EUA sobre o Irã se esgotou e que a situação no país melhorou em comparação ao ano passado.

    "A pressão dos EUA sobre o povo iraniano atingiu seu ponto máximo e a partir de agora essa ameaça, essa pressão vai perder sua força. Agora o povo iraniano está mais calmo, comparado com aquilo que havia há um ano", disse Rouhani em uma reunião do governo.

    Segundo o presidente iraniano, a pressão dos EUA não tem precedentes e mesmo as sanções anteriores do Conselho de Segurança da ONU não podem ser comparadas em nada com aquilo que faz Washington. Entretanto, Rouhani notou que a situação no Irã é positiva, o que não significa a ausência de problemas.

    Durante o último mês, as tensões entre os EUA e o Irã se intensificaram. As autoridades norte-americanas introduziram sanções duras contra áreas-chave da economia iraniana. Os EUA designaram o Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica como organização terrorista e, em resposta, o Irã deu o mesmo estatuto ao Comando Central dos Estados Unidos.

    Os líderes de ambos os países afirmam que não querem desencadear uma guerra, contudo, o Irã vai continuar a resistir a Washington.

    Mais:

    Ministro alemão vai ao Irã e diz esperar que acordo com Europa cesse chance de guerra
    EUA não devem se sentir seguros após iniciarem guerra econômica, diz chanceler do Irã
    Análise: novo sistema de defesa antiaérea do Irã é capaz de resistir ao Ocidente
    General dos EUA cogita expansão de suas forças no Oriente Médio em meio à 'ameaça' do Irã
    Tags:
    Hassan Rouhani, Donald Trump, Washington, EUA, Teerã, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar