06:23 24 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Técnico de petróleo iraniano verifica as instalações do separador de óleo no campo petrolífero de Azadegan, perto de Ahvaz, Irã (foto de arquivo)

    Teerã: '1ª bala disparada no Golfo elevará os preços do petróleo acima de US$ 100'

    © AP Photo / Vahid Salemi
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5191
    Nos siga no

    Yahya Rahim Safavi, conselheiro militar do líder iraniano Ali Khamenei, assegurou que qualquer conflito entre Washington e Teerã no golfo Pérsico provocará um aumento dos preços do petróleo acima de US$ 100 por barril, segundo informou neste domingo a agência Farsi citada pela Reuters.

    "A primeira bala disparada no golfo Pérsico elevará os preços do petróleo acima dos 100 dólares", disse Safavi, citando pelo Reuters, notando que esta situação "seria insuportável para os Estados Unidos, Europa e aliados dos EUA, como Japão e Coreia do Sul".

    Além disso, Safavi, que foi comandante da Guarda Revolucionária iraniana entre 1997 e 2007, afirma que "os americanos estão conscientes que suas forças militares [na região] estão dentro do alcance dos mísseis do Irã", bem como de sua Marinha e da de seus aliados estrangeiros no golfo Pérsico.

    Essas declarações vêm em meio a uma escalada de tensão entre os dois países, desde que em abril passado o governo dos EUA anunciou que a partir de 2 de maio terminaria a isenção de sanções para oito países para comprar petróleo bruto do Irã – entre eles a Itália, Grécia, Japão, Turquia e China – com o objetivo de "reduzir a zero as exportações do petróleo iraniano", a principal fonte de rendimento da nação persa. Se esses países continuarem comprando petróleo a Teerã, Washington vai introduzir sanções econômicas contra eles.

    Este anúncio fez com que os preços do petróleo subissem mais de 3% nos dois dias seguintes. Ao mesmo tempo, os EUA notaram que tomariam medidas "coordenadas" com a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e outros países aliados para garantir que os mercados mundiais de petróleo continuem a ser fornecidos adequadamente.

    O Departamento de Estado dos EUA anunciou no dia 3 de maio novas restrições contra Teerã, em meio a uma "campanha de pressão sem precedentes para abordar toda a gama de atividades destrutivas do Irã" relacionadas ao seu programa nuclear.

    Na semana passada, Donald Trump anunciou sua autorização ao Pentágono para enviar 1.500 militares adicionais ao Oriente Médio devido às tensões com o país persa.

    No dia 8 de maio de 2018, Trump anunciou a saída dos EUA do Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA na sigla em inglês), argumentando que este acordo não impede "o enriquecimento de urânio" do Irã, a quem acusou de violar os termos do pacto e de tentar ativamente obter armamento nuclear. Os outros signatários do tratado, assim como o Irã, condenaram essa medida e continuam fiéis às suas condições.

    Mais:

    Supremo líder iraniano diz que Teerã não vai mais negociar com os EUA: 'Não adianta'
    Teerã põe em causa declaração de Trump de que EUA não visam 'mudança de regime' no Irã
    Hezbollah: forças dos EUA no Oriente Médio serão 'aniquiladas' se Irã for atacado
    Tags:
    JCPOA, petróleo, EUA, golfo Pérsico, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar