09:38 17 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Membros da Guarda Revolucionária Iraniana.

    Comandande iraniano sobre os EUA: 'Negociar com o diabo não dá frutos'

    © AP Photo / Vahid Salemi
    Oriente Médio e África
    URL curta
    7100

    Donald Trump disse no domingo que os Estados Unidos vão "entrar em acordo" com Teerã, mas as autoridades iranianas não parecem dispostas a sentar-se à mesa das negociações.

    Um alto funcionário da força militar de elite do Irã descartou as negociações de paz com os EUA, referindo-se a Washington como o "Grande Satã".

    "Negociar com o diabo, diz o Alcorão, não dá frutos", disse o almirante Ali Fadavi, vice-coordenador da Guarda Revolucionária Islâmica, de acordo com a Fars News.

    O Pentágono implantou um porta-aviões e uma frota de bombardeiros B-52 no Oriente Médio, bem como mísseis Patriot e caças F-15. Sem desanimar com essa demonstração de poder, Ali Fadavi descreveu que a presença militar dos EUA na região é "mais fraca na história".

    Washington disse que o acúmulo militar no Oriente Médio são motivados por dados de inteligência que indicam que o Irã e seus representantes estão tramando um ataque a seus interesses regionais.

    "Temos informações sobre as quais você não quer saber", disse o presidente dos EUA, Donald Trump. "Eles são muito ameaçadores e temos que ter uma grande segurança para este país e muitos outros lugares".

    Majid Takht Ravanchi, embaixador do Irã na ONU, em resposta, descartou as alegações de "inteligência falsa".

    Na sexta-feira, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Patrick Shanahan, disse que os militares enviavam mais 1.500 soldados, além de aviões de combate, drones e sistemas de mísseis antiaéreos para o Oriente Médio.

    Tags:
    B-52, Fars News, Departamento de Defesa dos Estados Unidos, Majid Takht-Ravanchi, Donald Trump, Patrick Shanahan, Ali Fadavi, Oriente Médio, Irã, Washington
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar