12:06 20 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Porta-aviões norte-americano Abraham Lincoln ao lado de caças F-18 durante exercícios no golfo Pérsico

    Presença militar dos EUA no Oriente Médio é a 'mais fraca da história', diz comandante iraniano

    © AP Photo / Hassan Ammar, File
    Oriente Médio e África
    URL curta
    6191
    Nos siga no

    No início deste mês os Estados Unidos enviaram um grupo de ataque liderado pelo porta-aviões USS Abraham Lincoln da Marinha norte-americana e uma força-tarefa de bombardeiros para a região do golfo Pérsico com o objetivo de deixar "uma mensagem clara e inequívoca" a Teerã.

    O vice-comandante do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica do Irã (IRGC) declarou, citado pela agência de notícias Fars, que a presença militar dos EUA no Oriente Médio está atualmente no nível mais fraco da sua história.

    "Os americanos têm estado presentes da região desde 1833 e, neste momento, eles têm a presença mais fraca da história na Ásia Ocidental", realçou Ali Fadavi contra-almirante e vice-comandante do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica.

    Os Estados Unidos reforçaram sua presença militar deslocando para a região um grupo de ataque, bombardeiros B-52, caças F-15 e mísseis Patriot.

    Anteriormente o secretário interino da Defesa dos EUA, Patrick Shanahan, havia afirmado que os Estados Unidos não têm nenhum interesse no aumento de tensões nem buscam um conflito com o Irã.

    As tensões entre os países aumentaram desde maio de 2018 depois de Donald Trump sair do acordo nuclear iraniano. Os EUA impuseram várias sanções contra a república islâmica, visando o sistema financeiro, as forças armadas e outras esferas do país.

    No dia 8 de maio, o Irã anunciou que suspenderia alguns dos seus compromissos no âmbito do acordo nuclear de 2015.

    Mais:

    Bolton e Pompeo estão empurrando Trump para a guerra com o Irã, diz ex-congressista
    Sob tensão com os EUA, Irã se reúne com Iraque para discutir situação
    Irã diz que envio de tropas dos EUA ao Oriente Médio ameaça a paz global
    Tags:
    tensões, Oriente Médio, acordo nuclear, Irã, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar