14:19 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Parada do Hezbollah durante uma cerimônia de homenagem a militantes mortos, no Líbano, em 18 de fevereiro de 2017.

    Hezbollah adverte para plano dos EUA que quer acabar com a causa palestina

    © AP Photo / Mohammed Zaatari
    Oriente Médio e África
    URL curta
    6152
    Nos siga no

    O chefe do movimento xiita do Líbano, o Hezbollah, alertou neste sábado que um plano de paz estadunidense, há muito adiado, pode fazer com que os refugiados palestinos se instalem permanentemente nos países anfitriões da região.

    Falando dias depois que os EUA anunciaram uma conferência em maio no Bahrein para apresentar os aspectos econômicos de seu esperado plano de paz israelense-palestino, o chefe do Hezbollah, Hassan Nasrallah, alertou para um "negócio ameaçador que visa eliminar a causa palestina".

    Ele declarou que o foco da conferência em questões econômicas "pode abrir a porta para a questão de naturalizar os irmãos palestinos no Líbano e os países onde eles estão localizados".

    O direito de retorno para mais de 700.000 refugiados que foram expulsos ou fugiram durante a criação do Estado de Israel no final dos anos 1940 — e seus milhões de descendentes — é um pilar fundamental da causa palestina.

    A grande maioria apega-se firmemente às esperanças, consagradas em uma importante resolução do Conselho de Segurança da ONU, de retornar às terras que suas famílias possuíam, mas que agora estão dentro de Israel.

    Estima-se que 174 mil refugiados palestinos vivem no Líbano, segundo um censo feito pelas autoridades nacionais em 2017. A ONU estima que existam dezenas de milhares mais.

    O Hezbollah há muito defende a causa palestina, mas a presença palestina é controversa no Líbano, onde muitos os culpam por causar a amarga guerra civil que devastou o país entre 1975 e 1990.

    Os campos palestinos do Líbano sofrem com a pobreza, superlotação, desemprego, condições de moradia precárias e perigosas e falta de infraestrutura.

    Hoje, "não é suficiente dizer que somos todos contra a naturalização — o perigo da naturalização está se aproximando", comentou Nasrallah durante um discurso televisionado que marcou o 19º aniversário da retirada de Israel do sul do Líbano.

    Ele pediu uma reunião urgente entre o governo e as autoridades palestinas no Líbano para "desenvolver um plano para enfrentar o perigo".

    Os palestinos boicotaram o governo dos EUA desde dezembro de 2017, quando Trump rompeu com décadas de consenso internacional e reconheceu Jerusalém como a capital de Israel.

    Os palestinos consideram a parte oriental da cidade a capital do seu futuro Estado, temem que o plano dos EUA seja fortemente tendencioso em favor de Israel.

    A liderança palestina disse que vai boicotar a reunião de 25 a 26 de junho em Manama, onde o objetivo declarado é promover a prosperidade palestina como parte do "acordo do século" de Trump.

    Espera-se que a administração Trump revele seu tão aguardado plano possivelmente já no próximo mês.

    A conferência do Bahrein pode ver promessas de investimento em larga escala para os territórios palestinos, mas é improvável que se concentre fortemente nas questões políticas no centro do conflito, como a questão dos refugiados palestinos.

    Mais:

    Palestina não aceitará nenhum plano de paz que não inclua Jerusalém, diz chanceler
    Emir do Catar envia quase US$ 500 milhões à Palestina após confrontos em Gaza
    Palestina e Israel anunciam cessar-fogo
    Embaixador da Palestina sobre conflito com Israel: 'Queremos que Brasil fique perto de nós'
    Tags:
    Estado Palestino, palestinos, judeus, acordo de paz, diplomacia, Hezbollah, ONU, Hassan Nasrallah, Bahrein, Jerusalém, Estados Unidos, Israel, Oriente Médio, Líbano, Palestina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar