15:32 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Hassan Rouhani, presidente do Irã (arquivo)

    Rouhani: Irã fará adversários se arrependerem de guerra econômica

    © AP Photo / Vahid Salemi
    Oriente Médio e África
    URL curta
    7190

    O presidente do Irã, Hassan Rouhani, disse hoje que o seu país fará com que seus adversários se arrependam da guerra econômica que vem sendo travada contra Teerã e não se desmoralizará com uma ação militar.

    "Nós precisamos de resistência para que nossos inimigos saibam que se bombardearem nossa terra e se nossos filhos forem martirizados, feridos ou presos, não desistiremos de nossos objetivos de independência do nosso país e do nosso orgulho", afirmou durante uma cerimônia de comemoração da guerra com o Iraque, entre 1980 e 1988.

    O presidente lembrou a captura da cidade fronteiriça de Khorramshahr e o dia em que a cidade foi libertada, com cerca de 19 mil soldados iraquianos cercados, dizendo que a juventude iraniana de hoje está pronta para novas batalhas como a de Khorramshahr.

    Em meio a recentes desentendimentos entre Teerã e Washington, Estados Unidos decidiram fortalecer sua presença militar no mar da Arábia e no vizinho Iraque, supostamente aumentando as tropas nas bases militares iraquianas para 10 mil, além de considerarem o envio de tropas adicionais para a região, o que foi confirmado pelo secretário de Defesa em exercício, Patrick M Shanahan. Apesar das atitudes belicosas, o governo norte-americano afirma não querer entrar em conflito com o Irã, país que acusa de ameaçar os interesses dos EUA no Oriente Médio.

    Mais:

    Irã alerta diplomata alemão sobre acordo nuclear: 'Nossa paciência acabou'
    EUA podem enviar mais 5 mil militares ao Oriente Médio em meio a tensões com Irã
    Irã desloca sistema russo de defesa S-300 para a costa do golfo Pérsico (VÍDEO)
    Tags:
    conflito, guerra, Patrick Shanahan, Hassan Rouhani, Washington, Teerã, Khorramshahr, Mar da Arábia, Oriente Médio, Iraque, Estados Unidos, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar