02:05 08 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Abbas Araghchi

    Irã alerta diplomata alemão sobre acordo nuclear: 'Nossa paciência acabou'

    © East News / East News/Associated Press/Guido Bergmann
    Oriente Médio e África
    URL curta
    6141
    Nos siga no

    Um enviado alemão que deseja preservar o acordo nuclear de 2015 foi alertado pelo Irã que a paciência dos persas acabou, e Teerã pediu que os signatários restantes do tratado cumpram seus compromissos depois que os EUA saíram, informou a agência de notícias Fars nesta quinta-feira.

    Jens Ploetner, diretor político do Ministério de Relações Exteriores da Alemanha, se encontrou com o vice-ministro iraniano Abbas Araghchi. Uma fonte diplomática alemã disse à Agência Reuters que conversas com outras autoridades iranianas também foram planejadas.

    A agência de notícias semi-oficial Fars destacou que Araghchi transmitiu a impaciência do Irã durante as negociações.

    Grã-Bretanha, França e Alemanha, que assinaram o acordo de 2015 juntamente com os EUA, China e Rússia, estão determinados a mostrar que podem compensar a retirada dos EUA do ano passado, proteger o comércio e ainda dissuadir Teerã de desistir de um acordo para evitar desenvolvendo uma bomba nuclear.

    Mas a decisão do Irã no início deste mês de recuar de alguns compromissos em resposta às medidas norte-americanas para prejudicar sua economia ameaça desvendar o acordo, sob o qual Teerã concordou em restringir seu programa de enriquecimento de urânio em troca da remoção da maioria das sanções internacionais.

    "No centro da visita do diretor político está a preservação do acordo nuclear de Viena (JCPOA)", revelou uma fonte diplomática alemã à Reuters. "Após o anúncio do Irã de suspender parcialmente seus compromissos sob o JCPOA, existe uma oportunidade para a diplomacia persuadir o Irã a continuar cumprindo integralmente o JCPOA".

    Ploetner conhece Araghchi das negociações para conquistar o acordo nuclear, há quatro anos.

    As tensões aumentaram entre o Irã e os Estados Unidos desde que Washington enviou mais forças militares ao Oriente Médio, incluindo um porta-aviões, bombardeiros B-52 e mísseis Patriot, em uma demonstração de força contra o que autoridades americanas dizem ser ameaças iranianas às suas tropas e aos seus interesses na região.

    Na quarta-feira, autoridades dos EUA disseram que o Departamento de Defesa estava considerando um pedido militar dos EUA para enviar cerca de 5.000 soldados adicionais para o Oriente Médio.

    Apesar dessa pressão, Keyvan Khosravi, porta-voz do Conselho Supremo de Segurança Nacional do Irã, reiterou nesta quinta-feira que não haverá negociações com Washington. Ele disse que autoridades de vários países visitaram o Irã recentemente, "principalmente representando os Estados Unidos", mas que a mensagem de Teerã para eles era firme.

    "Sem exceção, a mensagem do poder e resistência da nação iraniana foi transmitida a eles", comentou.

    Anteriormente, a Fars citou um alto comandante da poderosa Guarda Revolucionária dizendo que o impasse entre os EUA e o Irã era um "choque de vontades" e que qualquer "aventureirismo" inimigo teria uma resposta esmagadora.

    A fonte diplomática alemã acrescentou: "A situação no golfo Pérsico e na região e a situação em torno do acordo nuclear de Viena são extremamente graves. Existe um risco real de escalada […] Nesta situação, o diálogo é muito importante".

    Mais:

    Irã desloca sistema russo de defesa S-300 para a costa do golfo Pérsico (VÍDEO)
    EUA querem que Rússia se junte às pressões contra Irã na Síria
    Rússia convoca comissão do JCPOA para discutir comércio com o Irã
    Tags:
    sanções, JCPOA, acordo nuclear, diplomacia, Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã, Keyvan Khosravi, Jens Ploetner, Donald Trump, Abbas Araghchi, golfo Pérsico, Estados Unidos, Europa, Alemanha, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar