02:12 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    In this April 9, 2009 file picture Iranian technicians work at a new facility producing uranium fuel for a planned heavy-water nuclear reactor, just outside the city of Isfahan, 255 miles (410 kilometers) south of the capital Tehran

    Teerã aumenta enriquecimento de urânio em 4 vezes em meio à suspensão de acordo nuclear

    © AP Photo / Vahid Salemi,File
    Oriente Médio e África
    URL curta
    9221
    Nos siga no

    No dia 8 de maio, a Irã que havia descontinuado parcialmente alguns dos compromissos assumidos no acordo nuclear com o Irã de 2015, dando aos outros signatários 60 dias para garantir que os interesses iranianos fossem protegidos pelo acordo.

    A taxa de enriquecimento de urânio do Irã quadruplicou uma semana após Teerã ter suspendido algumas de suas obrigações no acordo nuclear de 2015, segundo a agência de notícias Tasnim, citada por um funcionário não identificado da instalação nuclear de Natanz.

    O comunicado, relacionado ao urânio pouco enriquecido do Irã, segue o ministro iraniano das Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, confirmando na semana passada que o Irã continua comprometido com suas obrigações sob o acordo com o Irã, também conhecido como Plano de Ação Compreensivo Conjunto (JCPOA). Os EUA unilateral saíram do acordo em 2018.

    “Acreditamos que a escalada dos Estados Unidos é inaceitável e desnecessária. Exercemos o máximo de contenção, apesar do fato de os Estados Unidos terem se retirado do JCPOA em maio passado ”, ressaltou Zarif.

    Em 8 de maio, Zarif anunciou que Teerã deixaria de cumprir "alguns de seus compromissos voluntários" com a JCPOA, já que a UE e outros países não conseguiram resistir à pressão dos EUA, que desistiram do acordo no ano passado e restabeleceram sanções ao Irã.

    Ele também afirmou que as ações de Teerã não violam o acordo nuclear e ressaltou que o país não está saindo do acordo.

    Teerã deu aos outros signatários do JCPOA 60 dias para garantir que os interesses do Irã fossem protegidos pelo acordo; caso contrário, a República Islâmica está pronta para tomar outras medidas para desfazer o acordo.

    Mais cedo, o presidente do Parlamento iraniano, Ali Larijani, disse que a República Islâmica continuaria com o enriquecimento de urânio em linha com o JCPOA, apesar da decisão dos EUA de deixar o acordo e impor sanções à exportação do produto pelo Irã.

    “Sob o JCPOA, o Irã pode produzir água pesada […] e, com base no acordo, não fizemos nada que viole. Portanto, continuaremos com a atividade de enriquecimento. Você pode comprá-lo ou não ”, assinalou Larijani.

    O JCPOA estipula que Teerã se limita a manter 300 quilos de urânio enriquecidos até 3,67%. Como parte do acordo com o Irã, Teerã pode vender qualquer urânio enriquecido acima do limite nos mercados internacionais em troca de urânio natural.

    Em 8 de maio de 2018, Trump anunciou sua decisão de se retirar do JCPOA e restabelecer sanções abrangentes contra Teerã, incluindo sanções secundárias contra empresas e instituições financeiras de países que mantêm relações comerciais com a República Islâmica. Irã, China, Alemanha, França, Rússia, Reino Unido e UE reafirmaram seu compromisso com o acordo após a saída dos EUA.

    Tags:
    JCPOA, Parlamento Iraniano, Ali Larijani, Mohammad Javad Zarif, Estados Unidos, Teerã, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar