17:45 05 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    552
    Nos siga no

    O ex-chefe das Forças de Defesa de Israel (FDI), general Gadi Eisenkot, advertiu que a Cisjordânia é "sensível e volátil" e poderia "se incendiar antes, durante ou depois" da apresentação do "acordo do século" dos EUA, que está próximo de ser divulgado.

    O general apelou a Washington para que considere esta reação negativa ao desenvolver o plano de paz.

    "A partir do momento em que este gênio for libertado da garrafa, serão precisos cinco anos para o colocar de volta", disse o ex-chefe do Estado-Maior, citando pelo site de notícias Times of Israel.

    Eisenkot sugere que Washington retome sua assistência às forças de segurança da Autoridade Palestina e a ajude em sua situação econômica e infraestruturas.

    A declaração do general israelense se segue ao relato do Canal 12, emitido no domingo (12), onde se fala que o "acordo do século", preparado pela administração Trump e destinado a acabar com o conflito israelo-palestino, incluirá uma disposição sobre o reconhecimento da autoridade de Tel Aviv sobre os assentamentos na Cisjordânia.

    Na resolução está supostamente disposto que Israel terá permissão para estender suas leis civis a territórios que atualmente são considerados como ocupados, de acordo com o canal.

    Um dos maiores supostos "vazamentos" foi publicado pelo jornal israelense Hayom, dizendo que o acordo iria propor a criação de um novo Estado chamado "Nova Palestina" na Faixa de Gaza e na Cisjordânia, com uma "ponte" de 30 metros de altura ligando-as.

    Já o movimento Hamas informou que não confia nos EUA como mediador no conflito após o reconhecimento de Jerusalém como a capital israelense e as Colinas de Golã sírias ocupadas como território israelense.

    O conflito israelo-palestino começou com a criação do Estado judaico em 1948, e desde então várias guerras em grande escala têm ocorrido na região.

    Mais:

    Tel-Aviv teme que Israel seja atingido no fogo cruzado se EUA e Irã forem à guerra
    Trump diz que apoia '100%' as ações de Israel na Faixa de Gaza
    Palestina e Israel anunciam cessar-fogo
    Tags:
    Gadi Eisenkot, Donald Trump, acordo, Cisjordânia, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar