02:33 20 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Bandeiras israelenses em frente ao território israelense de Efrat, situado na periferia sul da cidade de Belém, na Cisjordânia, 12 de abril de 2019

    General de Israel: Cisjordânia pode 'se incendiar' quando sair 'acordo do século' de Trump

    © AFP 2019 / Thomas Coex
    Oriente Médio e África
    URL curta
    552

    O ex-chefe das Forças de Defesa de Israel (FDI), general Gadi Eisenkot, advertiu que a Cisjordânia é "sensível e volátil" e poderia "se incendiar antes, durante ou depois" da apresentação do "acordo do século" dos EUA, que está próximo de ser divulgado.

    O general apelou a Washington para que considere esta reação negativa ao desenvolver o plano de paz.

    "A partir do momento em que este gênio for libertado da garrafa, serão precisos cinco anos para o colocar de volta", disse o ex-chefe do Estado-Maior, citando pelo site de notícias Times of Israel.

    Eisenkot sugere que Washington retome sua assistência às forças de segurança da Autoridade Palestina e a ajude em sua situação econômica e infraestruturas.

    A declaração do general israelense se segue ao relato do Canal 12, emitido no domingo (12), onde se fala que o "acordo do século", preparado pela administração Trump e destinado a acabar com o conflito israelo-palestino, incluirá uma disposição sobre o reconhecimento da autoridade de Tel Aviv sobre os assentamentos na Cisjordânia.

    Na resolução está supostamente disposto que Israel terá permissão para estender suas leis civis a territórios que atualmente são considerados como ocupados, de acordo com o canal.

    Um dos maiores supostos "vazamentos" foi publicado pelo jornal israelense Hayom, dizendo que o acordo iria propor a criação de um novo Estado chamado "Nova Palestina" na Faixa de Gaza e na Cisjordânia, com uma "ponte" de 30 metros de altura ligando-as.

    Já o movimento Hamas informou que não confia nos EUA como mediador no conflito após o reconhecimento de Jerusalém como a capital israelense e as Colinas de Golã sírias ocupadas como território israelense.

    O conflito israelo-palestino começou com a criação do Estado judaico em 1948, e desde então várias guerras em grande escala têm ocorrido na região.

    Mais:

    Tel-Aviv teme que Israel seja atingido no fogo cruzado se EUA e Irã forem à guerra
    Trump diz que apoia '100%' as ações de Israel na Faixa de Gaza
    Palestina e Israel anunciam cessar-fogo
    Tags:
    Gadi Eisenkot, Donald Trump, acordo, Cisjordânia, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar