08:16 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Um soldado israelense guarda um sistema de defesa aérea Iron Dome (Cúpula de Ferro) implantado nas colinas de Golã, perto da fronteira com a Síria.

    Tel-Aviv teme que Israel seja atingido no fogo cruzado se EUA e Irã forem à guerra

    © AP Photo / Ariel Schalit
    Oriente Médio e África
    URL curta
    14212
    Nos siga no

    O ministro da Energia israelense, Yuval Steinitz, disse temer que Israel não consiga evitar ataques se as tensões entre os EUA e o Irã se transformarem em um conflito armado.

    "As coisas estão esquentando, eu não descartaria nada. O Irã poderia disparar mísseis contra Israel", disse Steinitz, falando à Ynet no domingo.

    O ministro, que serve como membro do gabinete de segurança do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, acrescentou que teme que o Irã "ative" grupos militantes como o Hezbollah e a Jihad Islâmica em Gaza, em uma campanha contra Israel.

    Situação mais tensa na região

    Israel, um dos principais aliados de Washington no Oriente Médio, tem uma longa história de tensão com o Irã, acusando-a de usar suas operações antiterroristas na Síria como base para possíveis ataques militares contra os israelenses. Netanyahu também diz que Teerã ajuda jihadistas em Gaza e no Líbano, suprindo-os com mísseis e equipamentos militares. O Irã nega as reivindicações.

    Israel e os EUA também denunciam frequentemente o grande arsenal de mísseis convencionais do Irã, e acusaram o país de abrigar secretamente ambições de se tornar uma potência nuclear. O ministro das Relações Exteriores iraniano, Javad Zarif, rejeitou repetidas vezes essas alegações, alegando que Israel era o único país da região com um programa de armas nucleares em funcionamento.

    No sábado, o presidente iraniano Hassan Rouhani pediu união nacional e coesão contra o que ele disse ser uma campanha de pressão sem precedentes contra seu país pelos EUA, com comandantes e clérigos iranianos advertindo que um ataque americano ao Irã seria recebido com retaliação contra os EUA.

    Os comentários de Rouhani ocorreram após o término das isenções de sanções dos Estados Unidos para os principais compradores de petróleo iranianos em 2 de maio, e a implantação do grupo de ataque USS Abraham Lincoln e uma força-tarefa de bombardeiros no Oriente Médio.

    Tags:
    USS Abraham Lincoln, Ynetnews, Hezbollah, Yuval Steinitz, Benjamin Netanyahu, Hassan Rouhani, Mohammed Javad Zarif, Gaza, Washington, Líbano, Síria, Tel-Aviv, Oriente Médio, Israel, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar