23:29 25 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Primeiro-ministro de Israel Benjamin Netanyahu durante discurso em Jerusalém, Israel, 1 de maio de 2019

    Netanyahu: 'Não permitiremos que Irã consiga armamento nuclear'

    © REUTERS / Ronen Zvulun
    Oriente Médio e África
    URL curta
    22513

    O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, declarou que Tel Aviv não permitirá que Teerã obtenha armamento nuclear.

    A declaração do premiê veio após o anúncio iraniano de suspender algumas das suas obrigações no âmbito do Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA).

    "Esta manhã, a caminho daqui, ouvi dizer que o Irã pretende prosseguir com seu programa nuclear […] Não permitiremos que o Irã consiga armamento nuclear. Continuaremos lutando contra aqueles que nos querem matar”, cita a Reuters o comentário de Netanyahu.

    Nesta quarta-feira (8), o presidente iraniano Hassan Rouhani anunciou que suspenderia alguns de seus compromissos no âmbito do acordo nuclear de 2015 e deu um prazo de 60 dias para que as potências mundiais protejam os interesses do Irã contra as sanções dos EUA, ou reiniciará o enriquecimento de urânio.

    O líder iraniano também comunicou que, a menos que os restantes signatários cumpram as suas promessas de proteger o Irã das sanções americanas, Teerã deixará de observar seus compromissos no âmbito do acordo, complementando que a redução gradual das obrigações do país é uma resposta recíproca à retirada unilateral de Washington do acordo há um ano.

    Em 2018, os EUA, violando aquilo que haviam se comprometido no acordo, restabeleceram e aumentaram as sanções na tentativa de impedir que outros países comprassem o petróleo iraniano.

    Mais:

    Desprezo pelos EUA no Oriente Médio é o que torna o Irã um alvo, afirma chanceler iraniano
    Irã estuda criação de mecanismo com Rússia e Turquia para driblar sanções dos EUA
    Congressista russo adverte: EUA preparam um 'cenário militar' contra o Irã
    Tags:
    acordo nuclear, Irã, Benjamin Netanyahu
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar