04:32 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Buscas por desaparecidos em Zimbabué por causa do ciclone tropical Idai

    Equipe de resgate do Brasil continua em Moçambique após novo ciclone

    © AP Photo / Tsvangirayi Mukwazhi
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 30
    Nos siga no

    O governo brasileiro decidiu deslocar uma equipe de ajuda humanitária para a província de Cabo Delgado, em Moçambique, informou o Itamaraty em nota, reproduzida pela Agência Brasil.

    A província de Cabo Delgado foi atingida nesta quinta-feira pelo ciclone Kenneth, provocando mortes e destruição de casas e infraestrutura. A calamidade acontece um mês após o ciclone Idai ter atingido a região central do país, provocando a morte de mais de mil pessoas e deixando milhares de desabrigados.  

    "Ao lamentar essa nova calamidade natural, o governo brasileiro se solidariza com a população e o governo moçambicano. Em atenção a pedido de ajuda do governo de Moçambique, o Brasil está deslocando a equipe humanitária brasileira já presente no país para as regiões afetadas pelo ciclone Kenneth, a fim de atuar em missões de busca e salvamento", informou o Itamaraty.

    A equipe de salvamento brasileira é composta por 40 bombeiros militares da Força Nacional de Segurança Pública e do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Minas Gerais. O grupo é o único contingente internacional com treinamento específico em busca e salvamento atualmente em Moçambique, segundo o governo.  

    Brasil fornecerá a Moçambique mapas das regiões afetadas, obtidos da rede de satélites da International Charter Space and Major Disasters, para auxiliar nas operações de resgate, informou Agência Brasil.

    Mais:

    Brasil prorroga atuação da Força Nacional em ajuda humanitária em Moçambique
    Número de mortos por ciclone em Moçambique chega a 501
    Após ciclone matar 493 pessoas, Moçambique registra 138 casos de cólera
    Bombeiros e Força Nacional que trabalharam em Brumadinho vão atuar em Moçambique
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar