22:51 23 Maio 2019
Ouvir Rádio
    A cerimônia de colocação de flores na chama eterna no Memorial das Vítimas do Genocídio Armênio em Yerevan.

    Erdogan oferece condolências aos descendentes de armênios mortos no Império Otomano

    © Sputnik / Asatur Esayants
    Oriente Médio e África
    URL curta
    110

    O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, manifestou condolências aos descendentes de armênios que foram mortos no Império Otomano durante a 1ª Guerra Mundial e enviou uma carta a Aram Atesyan, o vigário geral do Patriarca Armênio da Turquia, no qual o presidente lamentou as mortes em massa.

    As declarações do líder turco coincidem com o Dia da Memória do Genocídio Armênio, marcado anualmente no dia 24 de abril.

    "Lembro-me com respeito dos armênios otomanos que perderam suas vidas sob duras condições da 1ª Guerra Mundial e ofereço minhas sinceras condolências aos netos… Desejo a misericórdia de Allah a outros cidadãos otomanos, que também morreram por causa de epidemias e migrações como atos de sedição liderados por gangues e grupos armados que aumentaram como resultado do enfraquecimento da autoridade estatal”, disse Erdogan, conforme citado pelo gabinete do presidente.

    O presidente também destacou que a comunidade armênia vinha contribuindo para o desenvolvimento do país desde a era otomana.

    "Eu gostaria especialmente de salientar que a paz, a segurança e a felicidade da comunidade armênia em nosso país são de especial importância para nós. Nos posicionaremos contra aqueles que permitem que até mesmo um único cidadão nosso armênio seja alienado ou excluído". Erdogan enfatizou.

    A Armênia e a Turquia têm relações tensas devido às suas discordâncias quanto ao chamado "genocídio armênio". A Armênia argumenta que cerca de 1,2 milhão de pessoas foram mortas ou morreram de fome pelo Império Otomano durante a 1ª Guerra Mundial, acusação que a Turquia tem repetidamente negado.

    Tags:
    Recep Tayyip Erdogan, Turquia, Armênia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar