18:47 11 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    No parlamento do Irã, o ministro da Inteligência, Mahmoud Alavi (no centro), responde a perguntas dos deputados, em 25 de outubro de 2016

    Parlamento iraniano ratifica designação do Centcom como organização terrorista

    © AP Photo / Ebrahim Noroozi
    Oriente Médio e África
    URL curta
    3140
    Nos siga no

    O Parlamento do Irã ratificou nesta terça-feira por maioria de votos todas as disposições do projeto de lei que inclui o Comando Central dos EUA (Centcom) na lista de organizações terroristas, informou a agência local Mehr.

    Em 8 de abril, o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou a decisão de designar o Corpo da Guarda Revolucionária do Irã (IRGC) como uma organização terrorista.

    Em resposta, o Supremo Conselho de Segurança Nacional do Irã classificou o Centcom como uma organização terrorista e também chamou os EUA de "patrocinador estatal do terrorismo".

    Note-se que a disposição para catalogar o Centcom como uma organização terrorista foi aprovada por 173 parlamentares, enquanto 10 deputados votaram contra e 11 abstiveram-se.

    De acordo com uma das 14 disposições do projeto, a lei entra em vigor após a ratificação.

    O documento enfatiza que o Irã deve proteger todas as pessoas físicas e jurídicas que trabalham com o Corpo da Guarda Revolucionária do Irã, bem como que pode introduzir contramedidas contra países e pessoas que cooperam com a Centcom.

    O governo iraniano também deve neutralizar as medidas dos EUA por meio de negociações com organizações internacionais a esse respeito.

    Mais:

    Trump: países da OPEP vão compensar fluxo de petróleo após sanções ao Irã
    Irã ameaça fechar estreito de Ormuz responsável pelo trânsito de 20% do petróleo mundial
    EUA revogam isenções sobre sanções ao petróleo do Irã
    Tags:
    retaliação, votação, relações bilaterais, defesa, segurança, terrorismo, CENTCOM, Guarda Revolucionária do Irã, Donald Trump, Estados Unidos, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar