08:09 31 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    169
    Nos siga no

    Um tribunal israelense ordenou a deportação do diretor local da Human Rights Watch nesta terça-feira (16) e determinou que ele deixe o país em duas semanas.

    O Tribunal Distrital de Jerusalém rejeitou um apelo de Omar Shakir para permanecer no país, citando seu apoio contínuo aos boicotes a Israel durante sua estadia no país.

    Israel promulgou uma lei em 2017 que impede a entrada de qualquer estrangeiro que "conscientemente emite uma chamada pública para boicotar Israel". A decisão de terça-feira foi a primeira vez que a lei foi aplicada a alguém que já residia no país.

    Shakir, um cidadão dos EUA, trabalha como diretor de Israel e Palestina do grupo sediado em Nova York desde outubro de 2016.

    O ministro do Interior de Israel ordenou a deportação de Shakir em maio de 2018, chamando-o de "ativista do boicote".

    O tribunal disse que Shakir "continua suas ações publicamente para promover um boicote contra Israel, mas não está nos palcos em conferências ou em painéis de universidades, e sim através da divulgação de suas chamadas para promover o boicote principalmente através de sua conta no Twitter e por outros meios".

    A corte também citou a publicação de Shakir no Twitter em que o diretor da Human Rights Watch apoia a decisão da Airbnd de retirar de sua plataforma anúncios de imóveis em assentamentos israelenses na Cisjordânia.

    A Airbnb posteriormente recuou dessa decisão.

    A Human Rights Watch disse que nem a organização nem Shakir promovem boicotes a Israel, mas pediu que as empresas parem de operar nos assentamentos da Cisjordânia porque "se beneficiam e contribuem para graves violações do Direito Internacional Humanitário".

    Israel capturou a Cisjordânia, junto com Jerusalém Oriental e a Faixa de Gaza, na guerra de 1967 no Oriente Médio. Os palestinos buscam esses territórios para um futuro estado. A maior parte da comunidade internacional considera os assentamentos israelenses na Cisjordânia ilegais sob as leis internacionais.

    Mais:

    Israel teria usado pela 1ª vez novo míssil que evita sistemas S-300 na Síria
    Liga Árabe: EUA estão sozinhos no reconhecimento das Colinas de Golã como parte de Israel
    Ministros da Liga Árabe se reúnem para tratar da Palestina e avanços de Israel
    Israel estaria treinando soldados para melhorarem imagem do país no exterior
    Netanyahu sobre julgar Exército de Israel por crimes de guerra: 'É absurdo'
    Tags:
    Human Rights Watch, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar